MEDJUGORJE E A ÚLTIMA TÁBUA DE SALVAÇÃO PARA A HUMANIDADE

Tempo de leitura: 5 minutos

Na sua incrível pintura retratando o Juízo Final, o pintor, escultor e artista michelângelo retrata a morte como um rio onde as pessoas em desespero tentam passar para a outra margem por um barco mas muitas são expulsas ou levadas por demônios.

Os povos antigos já acreditavam neste abismo que separava os vivos e os mortos. Na mitologia grega os mortos eram enterrados com uma moeda para que fizessem a passagem da vida para a morte. O barqueiro na mitologia grega chamava-se de caronte.

Acreditava-se que os mortos deveriam ser enterrados com moedas para pagarem a travessia do lago da morte ao barqueiro.

Nos olhos de Cristo, segundo o Sudário de Turim foram também colocadas moedas segundo a tradição judaica

Em Apocalipse 20 lemos: 10 O diabo, que as enganava, foi lançado no lago de fogo que arde com enxofre, onde já haviam sido lançados a besta e o falso profeta. Eles serão atormentados dia e noite, para todo o sempre. “

Vicka fala do fogo que está no meio do Inferno em seu testemunho aos peregrinos em Medjugorje:

Nas suas memórias, Irmã Lúcia descreveu a visão espantosa que ela, Francisco e Jacinta tiveram do inferno:

Nossa Senhora mostrou-nos um grande mar de fogo que parecia estar debaixo da terra. Mergulhados em esse fogo, os demônios e as almas, como se fossem brasas transparentes e negras ou bronzeadas, com forma humana, que flutuavam no incêndio levadas pelas chamas que delas mesmas saíam juntamente com nuvens de fumo, caindo para todos os lados, semelhante ao cair das faúlhas em os grandes incêndios, sem peso nem equilíbrio, entre gritos e gemidos de dor e desespero que horrorizava e fazia estremecer de pavor. Os demônios distinguiam-se por formas horríveis e asquerosas de animais espantosos e desconhecidos, mas transparentes e negros. Esta vista foi um momento, e graças à nossa boa Mãe do Céu, que antes nos tinha prevenido com a promessa de nos levar para o Céu (na primeira aparição)! Se assim não fosse, creio que teríamos morrido de susto e pavor.

Em seguida, levantamos os olhos para Nossa Senhora que nos disse com bondade e tristeza:

– Vistes o inferno, para onde vão as almas dos pobres pecadores; para as salvar, Deus quer estabelecer no mundo a devoção a Meu Imaculado Coração[2]. Se fizerem o que Eu vos disser, salvar-se-ão muitas almas e terão paz[3].

Os três pastorinhos ficaram aterrorizados com o lugar para onde iam as almas depois da morte.

Em Lucas 16 lemos como Abraão explica o abismo para o velho rico condenado ao Inferno: 26 E, além disso, está posto um grande abismo entre nós e vós, de sorte que os que quisessem passar daqui para vós não poderiam, nem tampouco os de lá passar para cá.”

Porém Jesus esclarece sobre este abismo que separa os vivos e os mortos à Santa Faustina e nos aponta a última tábua de salvação como a Sua Divina Misericórdia.

Deves saber, filha Minha, que entre Mim e ti existe um abismo insondável, que separa o Criador da criatura, mas esse abismo será preenchido pela Minha misericórdia. Elevo-te até Mim, não porque necessite de ti, mas, unicamente por misericórdia, concedo-te a graça da união.  [ Diário 1576 ].

Glória Polo em seu incrível testemunho enquanto morria em um hospital na Colômbia, caiu neste abismo e sentiu o desespero e viu que a sua única e última esperança era a Misericórdia Divina. Segue abaixo o seu testemunho.

Em Medjugorje, logo atrás da colina das aparições, pintado em uma tábua de madeira, está o ícone da Misericórdia Divina, diante do qual aconteceu o milagre da cura de um senhor italiano de nome Hugo Festa que ao rezar em frente deste ícone ficou curado de doenças incuráveis para a medicina.

Hugo Festa, senhor italiano curado diante do ícone de Jesus Misericordioso. Hugo tinha diversas doenças incuráveis para a medicina. Sua cura esteve no processo de canonização de Santa Faustina pelo Papa João Paulo II

 

Jesus fala da última tábua de salvação para Santa Faustina em Seu livro O DIÀRIO:

“Recita, sem cessar, este Terço (da Misericórdia) que te ensinei. Todo aquele que o recitar alcançará grande misericórdia na hora da sua morte. Os sacerdotes o recomendarão aos pecadores como a última tábua de salvação. Ainda que o pecador seja o mais endurecido, se recitar este Terço uma só vez, alcançará a graça da Minha infinita misericórdia” (Diário, 687).

Coincidência ou não, esta tábua onde está pintado o ícone de Jesus Misericordioso em Medjugorje fica na frente de um rio, o Neretva, que divide a região católica da região muçulmana.

Rio Neretva divide a região católica da região muçulmana na Herzegóvina, onde Medjugorje se localiza.

Como disse Jesus à Santa Faustina, àqueles que não aproveitarem da Misericórdia Divina, se arrependerão por toda a Eternidade.

Vicka diz em seu testemunho que nunca foi enviada à Terra tantas graças e que devemos aproveitá-las pois como disse Nossa Senhora: “Queridos filhos, este é um tempo de graças especiais“.

A Misericórdia Divina se faz presente em Medjugorje, o maior local de cura e conversão da história da humanidade.

Escrito por Gabriel Paulino – Fundador do Portal Medjugorje Brasil – www.medjugorjebrasil.com.br

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *