Após morrer o ateu Howard Storm viu os demônios e o abismo e clamou por Jesus !!!

Tempo de leitura: 20 minutos

Compartilhe com seus amigos!

Matéria original: https://mysticpost.com/2018/11/howard-storms-story-after-dying-atheist-is-confonted-by-creatures-on-the-edge-of-hell-one-minute-i-was-an-atheist-and-in-the-next-minute-every-part-of-me-wanted-jesus-f/?fbclid=IwAR0JdfQeEzSwvr4iok8f60sSVmb6yzsY71qvPk_VV_JBpFII5N3b_nVGoCM

A experiência de quase morte de Howard Storm:

Era 1 de junho de 1985, e eu estava na França. Eu estava guiando um grupo de estudantes em uma aula de artes. Minha esposa estava comigo, e era o último dia de nossa viagem. Então eu cai no chão, gritando com dor intensa em meu estômago. Uma ambulância veio e foi correndo comigo para o hospital. O doutor me disse que eu tinha um buraco em meu duodeno.

Após algum tempo, com a dor ficando pior, uma enfermeira veio até a sala e disse para mim e para minha esposa que eu iria ser operado. Naquele instante, por causa da dor tão intensa, eu estava pronto até para morrer. Eu pensei durante o dia que eu iria morrer, minha vida estava por um fio, mas eu ainda tentava ficar vivo.

O problema para mim era que eu era ateu. Quando jovem eu cresci em uma igreja protestante. Eu perdi a fé na faculdade e me tornei um cientista ateu. Agora, estando de frente para a morte, eu não sentia nada além de falta de esperança, depressão e desespero. Eu disse para minha esposa, que não era atéia, e tinha alguma fé. Ela estava em lágrimas.

Eu fechei os meus olhos e fiquei inconsciente. Eu não sei quanto tempo depois, mas me vi ao lado do meu corpo. Eu abri os meus olhos e via meu corpo na cama. Eu não entendia como isso era possível estar fora do meu corpo e continuar olhando para ele. Eu estava extremamente agitado e chateado porque tentava gritar para que minha esposa olhasse para mim. Ela não podia me ver e nem me ouvir e não se mexeu dali.

Eu me virei para meu colega de quarto de hospital mas também ele não se mexeu. Era óbvio para mim e eu fiquei com mais e mais raiva e agitado. Então eu ouvi vozes chamando o meu nome, de fora da sala.

Eu estava com medo, mas as vozes me pareciam amigáveis. Quando eu cheguei na porta do quarto do hospital eu pude ver figuras se movendo em uma névoa e eu pedi para que elas se aproximassem. Elas não chegavam perto para que eu as pudesse ver claramente. Eu fui capaz de ver apenas as silhuetas e as formas em geral. Se eu estava morto ou não era a questão. Embora eu fizesse perguntas específicas, as figuras davam respostas vagas. Elas insistiam que eu fosse com elas. Então, com muita relutância, eu concordei.

Eu continuei a perguntar para onde nós estávamos indo. Elas responderam que eu veria quando nós chegássemos. Então eu perguntei quem eram elas e elas me responderam que vieram para me levar. Então eu as segui, e fomos em um caminho de muitos, muitos quilômetros. Não existiam paisagens ou construções, somente uma neblina cada vez mais espessa e cada vez mais escura. Mesmo que eles se recusassem a dizer para onde nós estávamos indo, eles diziam que iam cuidar de mim e que tinham algo para mim. E eu queria aquilo, mesmo que não soubesse o que era.

Gradualmente elas se tornavam cruéias e começaram a ficar negras. As criaturas então começaram a caçoar de mim. Umas diziam para as outras: “Ei ! cuidado para não assustá-lo ” ou “Fiquem quietas, é muito cedo para isto” Então para piorar, elas começaram a fazer piadas vulgares sobre mim. Parecia existir umas doze destas criaturas, ou talvez quatorze ou quinze. Depois apareceram centenas ou mais delas.

Neste ponto, eu disse que não iria mais longe. Este foi um blefe da minha parte porque eu não sabia qual era o caminho de volta, ou onde eu estava. Eu não conseguia descobrir como ainda poderia estar no hospital e andar tão longe. As criaturas começaram a me empurrar e a me bater. No começo, eu lutei bem. Eu consegui acertá-los no rosto e chutá-los, mas não pude causar nenhum dano a eles. Eles simplesmente riram. Então elas começaram a pegar pequenos pedaços de mim com suas unhas e dentes. Eu experimentei uma dor física real e isso durou muito tempo. Eu estava lutando, tentando afastá-los. Eu estava no centro de uma enorme multidão, mãos e dentes ao meu redor. Quanto mais eu gritava e lutava, melhor eles gostavam.

O barulho era terrível, com risadas altas e tormentos constantes. Elas foram além, me insultando e me violando de outras formas horríveis demais. A conversa entre era mais violenta do que jamais poderia ser imaginada.

Por fim, não tive mais a força nem a capacidade de lutar e caí no chão. Eles pareciam perder o interesse em mim. As pessoas pareciam estar vindo e me dando um chute, mas a intensa fúria se foi. Enquanto estava lá, tive a experiência mais estranha. Parecia que uma voz veio do meu peito que falava na minha mente. Esta foi uma conversa interna. Minha voz disse à minha mente: “REZE PARA DEUS”.

Eu comecei a discutir com a minha voz. Eu disse que não acreditava em Deus, então como poderia orar a Ele? Minha voz dizia: “Reze a Deus” e pensei: “Mas não sei como orar, não sei o que significa rezar!” Pela terceira vez, minha voz disse: “Reze a Deus!” e eu pensei que seria melhor tentar. Comecei a pensar coisas como: “O Senhor é meu pastor; Deus abençoe a America’. Apenas pequenas coisas que eu poderia lembrar que soavam sagradas. Logo os pensamentos se tornaram murmúrios. Quando eles fizeram as criaturas ao meu redor começaram a gritar e a gritar comigo que não havia Deus, e que eu era o pior dos piores. Eles disseram que ninguém podia me ouvir, então o que eu achava que estava fazendo?

Como essas criaturas do mal eram tão fortes em seu protesto, comecei a dizer mais. Eu gritei coisas para eles como: “Deus me ama. Saia de perto de mim. Em nome de Deus, me deixe em paz! ”Eles continuaram a gritar comigo, exceto que agora estavam recuando para a escuridão. Eu finalmente cheguei ao ponto em que me vi gritando todas as coisas que eu conseguia pensar que soavam religiosas, mas eu estava completamente sozinho na escuridão.

As criaturas recuaram como se minhas palavras água quente queimando elas. Embora eu estivesse gritando pequenos pedaços do Salmo 23: “Sim, embora eu ande pelo vale da morte, não temerei mal algum”, e a Oração do Senhor, eu não acreditei neles. Eu quis dizer a eles no sentido de que eu podia ver que eles estavam tendo o efeito de expulsar essas criaturas, mas eu não estava convencido em meu coração sob a verdade destas palavras.

Eu estava lá sozinho, por quanto tempo eu não sei. Afundei-me em maior desespero, mais fundo do que podia imaginar, porque aqui estava eu, no escuro, sem nada. Em algum lugar, na escuridão, estavam as criaturas do mal. Eu não conseguia me mover ou engatinhar e não sabia o que fazer. Na verdade, cheguei ao ponto em que realmente não queria mais existir.

Então foi no momento de mais profundo desespero que uma melodia da minha infância, quando eu fui para a Escola Dominical, começou a passar pela minha cabeça. “Jesus me ama, isso eu sei”, e eu queria que isso fosse verdade, mais do que eu sempre quis alguma coisa na minha vida. Com cada grama do meu ser, eu gritei na escuridão, “Por favor, Jesus, salve-me!” Eu quis dizer isso. Eu não questionei ou duvidei, eu apenas quis dizer isso com cada fibra do meu ser. Ao fazer isso, uma pequena estrela apareceu na escuridão. Ela cresceu rapidamente, mais brilhante e mais brilhante, e logo foi uma luz grande, indescritivelmente brilhante, que me pegou em si mesma. Quando me levantou, olhei para mim mesmo. Todos os meus rasgos, lágrimas e feridas desapareceram lentamente. Enquanto eu continuava a ser levantada, tornei-me inteira e bem. Só posso descrever a luz como algo de beleza inexplicável. Eu sabia que isso era bom.

Num minuto eu era ateu, e no minuto seguinte cada parte de mim queria Jesus. Perdi todo o meu orgulho, meu egoísmo, minha autoconfiança e minha confiança no meu intelecto muito exaltado. Todos estes deixaram de servir-me mais – eles tinham falhado comigo. Todas as coisas pelas quais eu tinha vivido minha vida, feito meu deus e adorado, haviam me decepcionado. O que eu vim para clamar foi uma esperança que foi plantada dentro de mim como criança pequena muitos anos antes.

Eu sabia que a luz me conhecia melhor do que qualquer um me conhecia. Eu sabia que me amava de uma maneira que nunca havia experimentado antes, e comecei a chorar. Eu estava me limpando completamente de tudo que já havia acontecido comigo. Até aquela época eu provavelmente só havia chorado duas ou três vezes. Eu considerava isso uma demonstração de fraqueza, e este foi o primeiro grito real da minha vida adulta. Agora eu considero o choro muito importante, então eu me permito chorar se for apropriado.

Essa luz, à qual agora me refiro como o Anjo da Luz, estava cercada por outras luzes, que eram anjos que iam e vinham. “Anjo” significa um mensageiro de Deus, e este foi realmente o caso. Ele me segurou e nos levantamos daquele lugar de escuridão e começamos a viajar pelo espaço. Eu vi, ao longe, o que eu pensava ser um céu cheio de estrelas. Ao nos aproximarmos, percebi que estavam todos em movimento, movendo-se para o centro ou para longe dele.

Esses anjos eram pacientes, bons professores e constantemente me faziam sentir amado e aceito. Mas eles tiveram algumas lições muito difíceis para me ensinar. Uma das primeiras coisas que eles queriam fazer era revelar certos detalhes da minha vida. Eu lhes disse que não queria fazer isso, porque tinha vergonha disso. Eu tinha passado minha vida blasfemando e negando a verdade, mas aqui estava eu sendo confrontado por isso. Senti o peso de todas as pessoas que eu tinha ridicularizado e, como professor, me afastei de Deus. Eu neguei a verdade. Eu não conseguia nem pensar no dano que causara pelo meu cinismo e auto-adoração.

Juntos, olhamos para a minha vida, projetada diante de nós em ordem cronológica, do começo ao fim. Algumas partes passaram muito rapidamente, outras muito devagar. Algumas partes nós assistimos várias vezes, de diferentes pontos de vista. Não havia fundo distinto, apenas imagens da minha vida. Foram as pessoas que foram importantes, não as configurações. Nós fomos capazes de voltar e avançar no tempo e ver lugares diferentes, mas não estar realmente lá.

Sempre que víamos áreas em minha vida em que eu trabalhara duro para conseguir a aprovação de outras pessoas, os anjos não tinham interesse neles e passavam por eles. Eu diria a eles para pararem, porque eu queria que eles vissem o quanto eu tinha trabalhado para ganhar aquele prêmio, e ver todas as pessoas me observando. Mas eles diziam: “Sim, mas isso não é importante”. Quando eles se depararam com algum incidente que era ruim, e tendiam a haver mais incidentes ruins do que bons, os anjos mostrariam isso em detalhes. Por exemplo, uma das maneiras pelas quais eu havia pecado, que falhei em minha vida, foi a maneira como eu interagia com as pessoas. Eu vi pessoas como coisas para obter coisas. Em outras palavras, eu manipulei meus relacionamentos. Eu vi como agravava meu pai, por causa disso eu estava com ciúmes de seu interesse em negócios. Eu não estava fazendo isso intencionalmente. Foi o ciúme adolescente da atenção que meu pai deu ao seu trabalho, e não para mim. Outra situação dizia respeito a como uma linda jovem entrou em minha vida e deu a si mesma e a ela seu amor por mim. Mas eu abusei dela psicologicamente, não fisicamente. Eu tomei como certo esse amor de outro ser humano, o presente que Deus me deu.

Eu vi os filhos que Deus me deu de presente, com uma esposa para criá-los. Mas eu os tinha visto como extensões do meu próprio ego. Se eles fizessem o que eu queria, em outras palavras, se eles fossem como eu, eles me agradavam. Mas se eles agissem de maneiras diferentes de mim, eu os odiaria e mostraria minha raiva. Eu também me via constantemente me afastando mais e mais das pessoas e vivendo em meu próprio mundo egoísta. Eu me tornei cada vez mais infeliz, embora estivesse me dando bem no mundo. Eu fui bem sucedido, recebendo promoções no meu trabalho. Eu estava ganhando um bom dinheiro, e todo mundo achava que eu era um cara maravilhoso.

Muitas vezes os anjos tinham que parar e simplesmente me avisavam que me amavam, mesmo sabendo o quanto eu os machucava com a vida que levara. Eu sabia o quanto eu havia falhado no que eles esperavam de mim do que poderia ter sido. Eu tinha visto que quando eu era criança eu tinha sido ensinado a ser uma pessoa amorosa, generosa e confiante. Mas eu me afastei disso. Não foi culpa de ninguém além de mim mesmo.

Eles me mostraram como eu havia me afastado do Senhor. Foi tudo orgulho. Eu não aprendi a ser bom e fiel quando era adolescente. Eu recebi muito racionalismo humanista extremamente liberal em vez de fé. Eu me vi perguntando às pessoas em minha igreja se elas acreditavam em Jesus, ou no Céu e no Inferno. Eles diziam: “Bem, não, na verdade não”. Eu me vi procurando por respostas. Quando entrei na faculdade, encontrei marxistas e ateus. Eles pareciam ter todas as respostas sobre como eles iriam mudar o mundo através do socialismo, e seus ideais de alta mentalidade. Foram nestas ideias que eu acreditava dentro de mim.

Existiam acontecimentos em minha vida nos quais eu podia ver como Deus tinha tentado me alcançar de muitas maneiras. ELE tentava me alcançar através de músicas no rádio, em histórias que eu lia e em biografias nos livros de história. ELE também tentou me alcançar através de boas pessoas que me amavam, que tentavam abrir o meu coração, e estarem perto de mim. Parecia que todos os dias de minha vida, Deus tentou me alcançar. Antes desta experiência, se as pessoas me perguntassem se DEUS era bom, eu riria para elas. Mas agora eu compreendo que Deus era muito melhor do que nós conhecemos como bom. Deus é muito maior que isto.

Tendo visto a minha vida inteira diante de mim, os Anjos me perguntaram se eu tinha algumas perguntas e eu tinha milhões delas ! Eu perguntei a eles boas perguntas, perguntas absurdas, perguntas intelectuais e questões filosóficas. Tudo o que eu perguntei, eles responderam claramente e de maneira simples. As pessoas frequentemente me perguntam por quanto tempo eu fiquei com os anjos. Eu respondo sempre: “mais do que meu tempo de faculdade”. Eu sei que pode parecer absurdo, mas foi assim que me pareceu. Eu falava com eles que eu queria ir para o Céu, mas eles me disseram que eu não estava pronto. Eles disseram que eu tinha que voltar e viver da maneira que Deus queria que eu vivesse. Eu questionei eles tanto quanto eu pude, mas eles eram gentis mas inflexíveis. Eles disseram que para mim, naquele momento, o Céu não era uma opção.

Então eu estava de volta ao meu corpo e queria dizer à minha esposa o que tinha acontecido. Mas o meu corpo estava tão cheio de dor, e eu voltei com tanta paz e alegria, que eu não pude falar com ela. As enfermeiras chegaram naquela hora. Era cerca de 21:30 e me disseram que o médico teria que me operar imediatamente, então eu fui para a sala de cirurgia.

No dia seguinte quando minha esposa veio até a sala de recuperação, eu tinha tubos em praticamente todos os lugarem do meu corpo. Eu tentei falar para ela sobre o AMOR DE DEUS e como ela tinha que se dar completamente a Jesus. Eu disse que bastava que ela dissesse SIM a ELE. Ela pensou que eu estava completamente louco ! Quando eu a vi novamente, eu tentei dizer a ela mais calmamente, mas eu estava ainda agitado emocionalmente. Quando as enfermeiras entraram na sala eu disse que elas estavam fazendo o trabalho de DEUS. Eu disse a elas que porque elas amavam e ajudavam as pessoas, DEUS abençoava o trabalho delas. Então eu ganhei a fama de homem maluco. Então eu peguei a Bíblia e comecei a ler ass escrituras. Comecei a ler a Bíblia em voz alta para aqueles que vinham me ver, porque achava que minhas palavras não eram suficientes, mas é claro que as pessoas não gostavam disso.

Aprendi depois de muitos meses que a minha abordagem muito pesada de tentar converter o mundo não teve muito sucesso.

No começo, eu fiz minha esposa sentar e comecei a ler a Bíblia para ela, no que eu batizei de “leitura trovão”. Eu parecia estar gritando para ela, por horas e horas. Após diversos meses ela disse que estava me deixando. Ela disse: “eu te amo, mas não posso aguentar mais disto”. Eu não podia acreditar. Meus amigos cristãos me disseram que minha esposa era um presente de Deus e que seria pecado abandoná-la. Então eu aprendi a ser moderado e demonstrar para ela através do amor, ao invés de empurrar a Escritura para dentro dela. Louvado seja Deus que ela não partiu. Eu disse a ela que gostaria de mudar de muitas maneiras, e ela também começou a acreditar.

As pessoas me perguntaram muitas vezes se eu não tinha sonhado tudo isto, e existiram vezes que eu quase pensei isso.

Esta experiência mudou a minha vida completamente. Não somente me fez ser um pregador em tempo integral, mas mudou a maneira como eu me sinto. Antes eu costumava ser melancólico e cínico, mas agora existe uma alegria verdadeira, todo o tempo. Não posso dizer que não existam sobes e desces. Mas atrás de cada dia existe felicidade. Eu tento, da melhor maneira que eu posso, espalhar a alegria e a paz.

Após algum tempo eu fui convidado a falar sobre a Bíblia para um grupo de estudos, e eles me disseram que a minha história reforçou a fé deles. Eu sentia tanto amor e aceitação deles que me encorajavam. A partir dali outras oportunidades começaram a se abrir para mim. Eu não era importante, nem minha história era importante. O que era importante era que eu podia encorajar algumas pessoas em sua fé. Para alguém que não tinha fé, eu podia reexaminar quem nós somos e o que nós somos. É minha esperança ser um instrumento para levá-los até Cristo. Eu realmente não sei porque Deus me escolheu para ter esta experiência, mas, como professor eu tive a habilidade de expressar as coisas claramente. Porque eu era uma pessoa bem conhecida, um ateu confesso, acho que DEUS está tentando mostrar o SEU PODER para as pessoas.

Eu fiz muita pesquisa em livros, e entrevistei pessoas que tiveram experiências de quase-morte. Eu notei que muitas estavam com medo de falar sobre suas experiências com medo de serem ridicularizadas. Outras pessoas fizeram interpretações do que tinham vivido. Por exemplo, na TV uma senhora falando sobre sua experiência disse: “Tudo é luz e amor. Não existe inferno e nem julgamento, apenas perfeito amor e luz”. Eu lamento que apesar de ter vivido um momento na luz divina, ela tirou muitas conclusões erradas disso.

O que nós fazemos neste mundo determina para onde iremos no outro mundo. Pessoas não querem lidar de frente com as consequências de suas ações. Elas tentam negar elas mesmas dizendo: “eu posso fazer o que quiser e nada mais importa”. Mas isto importa. Tudo o que nós fazemos neste mundo importa. Nós podemos ser perdoados do que fizemos de errado mas nós devemos nos converter. Isto significa que devemos renunciar aos nossos pecados e a nossa culpa. O mais importante, nós devemos aceitar Jesus Cristo como nosso Salvador.

o testemunho de Howard Storm foi publicado no livro:
“My Descent into Death.”

Se você deseja adquirir um terço vindo de Medjugorje e abençoado por Nossa Senhora em suas aparições não perca tempo !! CLIQUE AQUI !!

Compartilhe com seus amigos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *