Campeão mundial de tênis lembra sua infância pobre em Medjugorje!!!

Compartilhe!

Tempo de leitura: 6 minutos

Matéria original: https://tenisbrasil.uol.com.br/noticias/96802/Cilic-relembra-a-infancia-e-curte-cada-chance-que-tem/

O croata Marin Cilic disputa nesta sexta-feira uma vaga na decisão de Roland Garros diante do norueguês Casper Ruud. Ele é o quinto jogador em atividade a alcançar as semifinais dos quatro torneios do Grand Slam, ao lado de Roger Federer, Rafael Nadal, Novak Djokovic e Andy Murray. Campeão do US Open em 2014 e vice na Austrália e em Wimbledon, o croata de 33 anos não se importa de não ser tão prestigiado quanto os outros nomes de sua geração. “Eles são os melhores do mundo há anos. Tento apenas aproveitar as minhas oportunidades o máximo que posso, dar o meu melhor a cada partida e estou orgulhoso”, havia dito Cilic, após eliminar o jovem Andrey Rublev por 5/7, 6/3, 6/4, 3/6 e 7/6 (10-2) na quarta-feira. 
 
Em entrevista à reportagem do ATPTour.com, Cilic relembra que a tradição da família de trabalhar nas plantações de tabaco. “Um dos tios de meu pai, que era diretor de um clube de futebol, os visitou em Medjugorje, uma cidade muito pequena na Bósnia-Herzegovina. Ele queria levar meu pai para a Croácia para estudar e deixá-lo jogar futebol, o que foi emocionante, porque ele realmente adorava praticar o esporte. Mas meu pai teve que ficar em casa para sustentar meus avós nos campos e nas vinhas. Quando meu pai teve uma visão além dos campos – ele acabou entrando no negócio. Ficar em casa no início da vida o impediu de perseguir seus sonhos de infância. Esse nunca seria o caminho para mim; meus pais estavam determinados que era hora de quebrar esse ciclo.”

Medjugorje, com menos de 4 mil habitantes, e é conhecida pelas aparições da Virgem Maria, não pelo sucesso esportivo. “A primeira quadra de tênis da cidade foi construída apenas alguns anos antes de eu entrar no esporte, que se tornou mais popular com a ascensão de Goran Ivanisevic. Meus pais me deram um empurrãozinho para entrar no tênis, principalmente porque meu tio e primo, que moravam na Alemanha na época, jogavam. Quando eu tinha sete anos, eles visitaram nossa casa, e foi quando comecei a jogar tênis. Havia muito poucos recursos na área, porém, e a quadra em que comecei era irregular e em más condições”, contou o campeão juvenil de Roland Garros em 2005.

“Foi aí que o amor pela construção do meu pai entrou em jogo. Ele nunca tinha jogado tênis, só assistia na televisão. Tínhamos um quintal enorme e, em 1996, quando eu tinha oito anos, meu pai decidiu construir uma quadra de tênis nele. Meus avós disseram que a ideia dele era completamente maluca. Mas meu pai teve uma visão e queria me dar a melhor oportunidade de ter sucesso na vida. Antes que eu percebesse, grandes caminhões começaram a aparecer para deixar o barro. Embaixo havia drenagem, com areia e outros materiais. Ainda me lembro como precisaríamos de quase duas horas para regar totalmente a quadra durante o verão porque o cano de água conectado à nossa mangueira de jardim não era muito grande. Muitas vezes passamos mais tempo regando a quadra do que jogando!”

Cilic reconheceu a sorte de ter uma quadra em casa e os esforços da família. “Isso fomentou meu amor pelo tênis desde o início. Eu levava todas as minhas tarefas muito a sério, segui todas as instruções. Mostrei talento desde jovem e treinei com um técnico em uma cidade a 10 minutos de distância, mas não havia muitas oportunidades além disso para eu crescer como jogador. Quando eu tinha 13 anos, alguém escreveu um artigo sobre meus sonhos de chegar a Wimbledon, um sonho impossível. Não havia muitos jogadores para treinar em Medjugorje além do meu amigo Ivan Dodig e seu irmão Mladen. Tive que tomar a maior decisão da minha vida aos 14 anos: ficar em casa com minha família e continuar meus estudos ou me mudar para Zagreb, onde fica o centro de treinamento da federação croata. Mas com todo o apoio deles, decidi fazer a mudança. Foram alguns dias difíceis. Por sorte, Zagreb é perto o suficiente de casa para que eu pudesse visitá-la.”

Cilic não perdia um treino em Zagreb, onde morava com meu padrinho e sua esposa. “Tenho que admitir que foi difícil. Foi uma transição para uma cidade maior, longe da família e dos amigos. Mas acredito que parte da força, da calma extra e da paz interior que encontrei veio da minha educação e do apoio da minha família. Sempre tive fé de que Deus me guiaria na direção certa.”

Agradecido por tudo o que conseguiu na carreira, o ex-número 3 do mundo diz que “é incrível que eu me tornei um profissional em primeiro lugar.” E continua: “Realizei tantos sonhos que nunca pensei que poderia tornar realidade, e há muito tempo penso em como ajudar os outros a fazer o mesmo. No começo, eu não tinha certeza de como. Eu sempre quis retribuir à comunidade e sempre quis fazer mais. Encontrei a receita certa para isso lendo Outliers: The Story Of Success, de Malcolm Gladwell. O livro é sobre o que produz pessoas bem-sucedidas, e Gladwell chegou à conclusão de que a oportunidade é o que torna as pessoas bem-sucedidas, e eu concordo plenamente. Se eu não tivesse oportunidades – se meus pais não construíssem uma quadra de tênis no quintal, se eu nunca me mudasse para Zagreb ou se eu não conhecesse um de meus treinadores na hora certa – provavelmente não teria conseguido chegar até aqui.”

Em 2016, Cilic lançou a fundação que leva seu nome. “Fazemos tudo ao nosso alcance para ajudar crianças carentes, seja por meio de bolsas de estudo, palestras motivacionais ou fornecendo orientações adequadas. Existem muitos jovens talentos em todo o mundo que vêm de áreas em desenvolvimento ou suas famílias simplesmente não podem apoiá-los. No final, esse talento não tem a oportunidade de brilhar”, explica.

“Temos dois grandes projetos em andamento na fundação. Um é construir um playground em áreas em desenvolvimento para apoiar crianças que não têm acesso a espaços para brincar, e o segundo, é concedendo bolsas de estudos para jovens talentosos em esportes, música e disciplinas. Embora eu tenha tido a sorte de viver meu sonho através do esporte, há crianças em muitas áreas que lutam. Ajudá-los me dá sentimentos tão positivos. Quando consigo fazê-los felizes, fico feliz. Farei tudo o que puder para ajudar a tornar seus sonhos realidade.”

SE QUISER IR A MEDJUGORJE CONOSCO CLIQUE AQUI E SAIBA MAIS !!!

SE QUISER PRODUTOS DE MEDJUGORJE CLIQUE AQUI

Compartilhe!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.