Carta de Papa Francisco aos jovens em Medjugorje 2021

Compartilhe!

Tempo de leitura: 6 minutos

Caros jovens!

O Festival da Juventude é uma semana de oração dedicada e de encontro com Jesus Cristo, especialmente na sua Palavra Viva, na celebração da Eucaristia, na Adoração Eucarística e no Sacramento da Confissão. Este acontecimento – segundo a experiência de muitos – tem o poder de nos encaminhar para o Senhor. Este é precisamente o primeiro passo do «jovem rico» de que fala os Evangelhos sinópticos (cf. Mt 19,16-22; Mc 10,17-22; Lc 18,18-23), que partiu, aliás, apressado ao encontro com o Senhor, cheio de êxtase e anseio por encontrar o Mestre para herdar a Vida Eterna, ou seja, a verdadeira alegria. O lema deste ano do Festival é na verdade a pergunta que este jovem fez a Jesus: “o que é bom para mim fazer?”. Estas são as palavras que nos colocam diante do Senhor que olha para nós e, amando-nos, chama: “Vinde e segue-me!”.

O Evangelho não nos menciona o nome daquele jovem, o que indica que ele pode representar qualquer um de nós. Ele, além de possuir muitos bens, parece educado e motivado por um cuidado saudável que o leva na busca da verdadeira felicidade, ou seja, da vida em plenitude. Por esta razão, ele embarca em uma jornada para encontrar um Mestre que tem autoridade e confiável. Ele encontra tal autoridade na pessoa de Jesus Cristo e, portanto, pergunta-lhe: “Bom Mestre, o que devo fazer para herdar a vida eterna?” (Mc 10:17). Mas o jovem pressupõe o bem a ser obtido por sua própria força. O Senhor responde a essa pergunta dizendo: “Por que você me chama de bom? Ninguém é bom, somente Deus! ” (p. 18). Jesus o dirige assim para Deus, que é o único e supremo Bem, de onde todos os outros vêm até nós.

Para ajudá-lo a chegar à fonte do bem e da verdadeira felicidade, Jesus indica-lhe o primeiro passo a dar, a saber, aprender a fazer o bem ao próximo: “Se queres entrar na vida, guarda os mandamentos” (Mt 19,17 ) Jesus o traz de volta à vida terrena e mostra-lhe o caminho da vida eterna, que é o caminho do amor concreto ao próximo. Mas o jovem responde que sempre fez isso e percebeu que obedecer aos mandamentos não é suficiente para torná-lo feliz. Então Jesus olhou para ele ansiosamente. O Senhor reconhece o anseio de plenitude que o jovem carrega no coração e o cuidado saudável que o impele a buscar; portanto, sente gentileza e afeição por ele.

Além disso, Jesus reconhece o ponto fraco de seu interlocutor, que está muito apegado aos tantos bens materiais que possui. Portanto, o Senhor sugere um segundo passo, que é a passagem da lógica do “mérito” para a lógica do dom: “Se quiser ser perfeito, vá, venda o que você tem e dê aos pobres, e você terá um tesouro no céu ”(Mt 19,21). Jesus muda o seu ponto de vista: convida-o a pensar em como garantir a eternidade, mas a entregar-se totalmente nesta vida terrena, imitando assim o Senhor. É um chamado para um maior crescimento, uma transição da lógica de fazer regulamentos para ganhar uma recompensa, para o amor incondicional e completo. Jesus pede-lhe que deixe o que entristece o coração e impede o amor. O que Jesus está propondo não é tanto um homem privado de tudo, mas um homem livre e rico de relacionamentos. Se o coração está dominado pelo bem, o Senhor e o próximo tornam-se apenas um entre uma multidão de bens. O fato de termos muito e querer muito sufoca o coração e nos torna infelizes e incapazes de amar.

Finalmente, Jesus sugere um terceiro passo, que é o seguinte: “Venha e siga-me!” “Seguir a Cristo não é uma imitação exterior, pois toca o homem em sua interioridade profunda. Ser discípulo de Jesus significa estar em harmonia com ele ”(João Paulo II, Encíclica Veritatis Splendor, 21). Em contrapartida, teremos uma vida rica e feliz, cheia do rosto de tantos irmãos e irmãs, pais, mães e filhos ”(cf. Mt 19,29). Seguir a Cristo não é uma perda, mas um ganho inestimável. Já a renúncia a que somos chamados diz respeito a um obstáculo que atrapalha o caminho. No entanto, o coração de um jovem rico está dividido entre dois senhores: Deus e a riqueza. Temendo o risco e a perda de bens, voltou para casa triste: “Ele ficou triste com a palavra e foi embora de luto” (Mc 10,22). O jovem não hesitou em fazer uma pergunta importante, mas não teve coragem de aceitar a resposta, que é um chamado a “deixar-se” e a sua riqueza para “conectar-se” com Cristo e caminhar com ele. e descobrir a verdadeira alegria.

Amigos, Jesus também diz a cada um de vocês: “Venham e sigam-me!” Tenha a coragem de viver sua juventude confiando no Senhor e caminhando com ele. Deixe-se conquistar pelo seu olhar cheio de amor e que nos liberta da sedução dos ídolos e da falsa riqueza que promete vida mas traz a morte. Não tenha medo de receber a Palavra de Cristo e aceitar seu chamado. Não desanime como o jovem rico do Evangelho; antes, dirige o olhar para Maria, nosso grande exemplo de seguimento de Cristo, e entrega-te a ela, que, com as palavras «eis a serva do Senhor», respondeu incondicionalmente ao apelo de Deus. A sua vida é um dom completo de si mesma, desde o momento da Anunciação até ao Calvário, onde se torna nossa Mãe. Voltemos o olhar para Maria para encontrar forças e receber a graça que nos permite dizer o nosso “aqui estou”. Voltemos o olhar para Maria para aprender a levar Cristo ao mundo, como ela fez quando, cheia de atenção e alegria, correu em socorro de Santa Isabel. Voltemos o olhar para Maria para transformar a nossa vida em dom para os outros. Por meio de seu cuidado pelas esposas de Caná, ele nos ensina a ter consideração pelos outros. Ele nos mostra com sua vida que nossa alegria está na vontade de Deus, e aceitá-la e vivê-la não é fácil, mas nos revela a verdadeira alegria. Sim ”, a alegria do Evangelho enche o coração e toda a vida de cada um que encontra Jesus. Aqueles que aceitam sua oferta de salvação são libertos do pecado, tristeza, vazio espiritual e solidão. Com Jesus Cristo renasce sempre a alegria ”(Exortação apostólica Evangelii Gaudium, 1).

Caríssimos jovens, no vosso caminho com o Senhor Jesus, também inspirado neste Festival, confio todos vós à intercessão da Bem-Aventurada Virgem Maria, nossa Mãe celeste, invocando a luz e a força do Espírito Santo. O olhar de um Deus que te ama te acompanhe diariamente, para que, no encontro com os outros, possas testemunhar a nova vida que recebeste como dom. Por isso, peço-lhe que os abençoe, pedindo que ore também por mim.

Em Roma, em St. John Lateran,
Na festa de São Pedro e Paulo, 29 de junho de 2021.
Papa Francisco

Fonte da matéria (em croata): https://radio-medjugorje.com/vijesti/medjugorje/poruka-svetoga-oca-sudionicima-festivala-mladih/?fbclid=IwAR2hqy3g1cK8KgWW32Z924WnuAHNRWZzpCGEIBSk3r-pMkgphcXw_vL27j4

Compartilhe!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *