Consumido pelas drogas, salvo em Medjugorje !!!

Compartilhe!

Tempo de leitura: 7 minutos

Matéria original: https://carifilii.es/consumido-por-la-droga-maria-fue-la-ultima-esperanza-para-su-familia-soy-un-milagro-de-medjugorje?fbclid=IwAR1XRljQK0GuXDH8VyIneBD7OkNsMoVZRzkfeBSLGRIK6bygV_BoCzycN34

Quando Emilio Ferrando tinha 13 anos, a morte do pai foi traumática para toda a família. Ele entrou cedo “no inferno” em que a droga tomou conta de sua vida por décadas até. Um dia, ele ia pular pela janela quando seu cachorro o parou. Ele logo soube que Deus e Maria queriam trazê-lo de volta à vida.

Ele conta no portal dedicado à Virgem Maria, o Rosário aos 11 anos, que passou uma infância feliz, marcada por uma família paterna profundamente católica.

Ele tinha 13 anos e seu pai, um arquiteto de prestígio, acabava de abrir a Obra Social de la Caixa em Madrid. Era Natal, e ele estava voltando para sua família em Valência quando sofreu um acidente de trânsito fatal.

“Minha vida mudou em questão de 1 segundo. Minha mãe deixou de ser dona de casa aos 42 anos com 8 filhos para dirigir uma empresa com mais de 70 trabalhadores. A morte dele foi traumática, não entendi nada, e o que fiz foi negar a Deus e deixar de ir à missa”, explica.

O fato de sua escola ser católica não impedia que um verdadeiro estoque de drogas fosse uma das principais distrações no recreio. “Quando eu tinha 14 anos comecei a ter meus primeiros flertes com drogas, tinha um companheiro de 15 anos que, em vez de comer ‘o sanduíche típico’, fumava dois baseados em meia hora.”

Emilio não demorou a seguir seu companheiro. Ele começou a fumar maconha com ela, “ir pra aula chapado” e tudo começou a se complicar. Eram os anos 80, época da “rota do bakalao” e da cena, e Emilio ainda estava na escola quando começou a experimentar drogas químicas, mescalina e ácidos “para conseguir ficar até 72 horas sem parar”.

Quando viajou para Nova York, sua “Sodoma e Gomorra privada”, o jovem estava imerso “em um turbilhão de promiscuidade sexual” e drogas nas quais LSD, heroína e outras drogas psicodélicas faziam parte de seu cotidiano. “No começo eu os usava por diversão, mas eventualmente eles tomaram conta da minha vida”, diz ele.

Mas Emilio sempre foi capaz de manter “uma vida dupla” com sua família e um trabalho de sucesso sem que eles fossem afetados. “Tinha um cargo de responsabilidade em uma multinacional americana, ganhava muito dinheiro e comprava o mais caro”, explica.

Essa posição lhe permitiu ter uma vida “absolutamente superficial”. Ele poderia ir a Ibiza e gastar 6.000 euros em um fim de semana, indo a festas “com pessoas muito importantes de Madri, onde todos consumiam, independentemente do partido político que fossem”.

Mas a droga teve consequências. “Comecei a ter problemas de comunicação, parei de sair e interagir, um traficante me trouxe a droga para casa e fiquei ‘até as sobrancelhas'”, admite.

O dinheiro também começou a ser um problema, pois “se a primeira coisa que você faz ao acordar é pegar uma fila e consumir 2 ou 3 gramas por dia, as consequências econômicas são enormes”.

Emilio ainda conseguiu combinar seu vício com um bom padrão de vida quando começou a ter sérios problemas de saúde, contraiu hepatite C e teve que ser internado sucessivamente em muitos hospitais.

Em 2008, Emilio estava perto de atingir o fundo do poço. “Foi a crise, eu tinha saído da multinacional e foi difícil para mim encontrar um emprego”, explica.

Durante algum tempo conseguiu empreender e iniciar os seus próprios projetos, mas os custos do seu vício começaram a ser insustentáveis: «Comecei a ter problemas económicos, falta de pagamento da hipoteca, o banco saltou sobre mim e perdi a casa . Eu estava quebrado.”

Emilio conta que naquela época sua vida não tinha sentido, tinha “todo mundo em cima” e o relacionamento com a família estava praticamente rompido. Com o último dinheiro que lhe restava, comprou 5 gramas de cocaína e começou a “cheirar uma linha atrás da outra”. Ele tinha que estar muito drogado para o que ia fazer.

Emilio abriu a janela de sua varanda, preparado para dar uma corrida e a única coisa em que conseguia pensar era em quanto tempo levaria para desamarrar seu bichinho. “Quando eu ia me lançar, meu cachorro começou a latir, ficou na minha frente e me empurrou para trás nas duas patas. Abracei-o e percebi que Deus o tinha usado para que não o fizesse”, explica.

No mesmo dia, conta Emilio anos depois, seu cunhado sonhou que ele deveria levá-lo a Medjugorje e, para isso, ofereceu-lhe um cargo em sua empresa com a condição de que o acompanhasse.

“Eu sempre disse que era um terreno familiar em que todos sabiam para onde eu estava indo, exceto eu, e como última esperança da minha família, eles decidiram me mandar para Medjugorje”, diz ele.

Assim que chegou, Emilio só queria voltar atrás, voltar para casa e sair “daquela cidade fria e escura, mas só tinha 1 euro no bolso e dependia totalmente do meu cunhado”.

Depois de 25 anos envolvido com drogas, hostil à fé de grupos de extrema esquerda e abortistas e com “uma vida precoce em tudo”, Emilio começou sua viagem pensando que “foi o pior caso ir a Medjugorje”.

No entanto, o que aconteceu na chegada mostrou a ele o quão errado ele estava. “O Senhor providenciou tudo para que eu entrasse na igreja de Santiago Apóstol. Quando o fiz, depois de mais de 20 anos viciado, meu problema com as drogas acabou de repente: nunca tive síndrome de abstinência e o Senhor me libertou da droga naquele exato momento”, conta.

Com o tempo, Emilio diz que se não tivesse confessado sua vida não teria sido a mesma. Mas ele não sabia disso então, e a princípio ele se recusou a se ajoelhar depois de 35 anos de escuridão e pecado.

“Conheci um padre croata que falava espanhol e acabei confessando a ele”, explica. “Foi a minha ressurreição: a primeira coisa que fiz quando voltei foi fazer as pazes com a minha família, contar-lhes o meu problema e confessar que só pensava em voltar: tinha que voltar sozinho”, explica.

Mas desta vez ele voltaria sozinho e sem limite de tempo, e a primeira coisa que fez quando voltou foi visitar a estátua branca da Virgem. “Eu me ajoelhei e disse a ela: ‘Me disseram que você é mãe. Se você é a mãe de todos, você também é minha mãe. Não sei como encontrar sentido na minha vida nem como chegar ao teu filho, mas se és mãe tens que me ajudar a chegar ao teu filho e a conhecê-lo’».

Suas palavras foram ouvidas. Emilio começou a trabalhar na delegação da Rádio Maria em Medjugorje e Nossa Senhora o ajudou «a conhecer seu filho. Perguntei a ela, ela conseguiu e me transformou em um novo homem”, afirma.

Com o tempo, Emilio começou a organizar peregrinações para visitar o centro de aparições, e uma de suas conhecidas lhe confessou que sempre dava o exemplo quando perguntada sobre Medjugorje. “Quando tento explicar o que é, mostro uma foto sua do primeiro dia em que você veio e outra com seu rosto sorridente e seus olhos diferentes dos últimos dias: essa é Medjugorje.”

PARA ADQUIRIR PRODUTOS DE MEDJUGORJE CLIQUE AQUI

SE DESEJAR VIAJAR CONOSCO ATÉ MEDJUGORJE EM MARÇO 2022 NO DIA DA APARIÇÃO ANUAL DE NOSSA SENHORA PARA A VIDENTE MIRJANA MANDE WHATSAPP OU LIGUE PARA (85)98843-5572

Compartilhe!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.