ERA APAIXONADA PELA NOVA ERA MAS DEUS TEVE PIEDADE DE MIM !!!

Compartilhe!

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Depois de anos passados nas disciplinas orientais e esotéricas mais variadas, decidi testemunhar contra elas. Creio que atualmente esteja em ação um verdadeiro e próprio ataque à religião cristã, mas sobretudo contra a nossa inteligência e dignidade de seres humanos.

Caríssima Annalisa,

Estou feliz que você tenha decidido comparar a sua experiência de conversão com a minha, ambas viemos da Nova Era e estou segura que tantos leitores irão se beneficiar da leitura desta entrevista. A nossa jornada através destas disciplinas nos fez compreender como nos distanciamos da Graça de Deus e quantos enganos e perigos se escondem atrás deles. A minha intenção é a de lidar com as seguintes questões, com a intenção de colocar luz sobre estas ações desonestas e enganadoras do diabo.

Para começar analisemos as experiências feitas antes de você voltar para Jesus. Que tipo de disciplinas e falsos profetas você seguiu antes da sua conversão e de que modo você acredita que elas te distanciaram de Deus ?

LASS: Eu tinha recebido uma formação católica quando criança, frequentava a Igreja e era muito religiosa. A um certo ponto da minha vida começou a despertar em mim uma forte curiosidade nos assuntos relativos a tudo o que dizia respeito ao ocultismo e ao esoterismo.

Comecei com a simples meditação budista tibetana, depois dei uma escalada pelo: Reiki, Shiatsu, Xamanismo, Sai Baba, Mata Amritanandamayi. Cheguei a me professar hinduista e recusava a Igreja e os Sacramentos considerando-os supérfulos. Quando minha mãe me chamava a ir à Missa, ao menos nas festas religiosas, eu com desdenho lhe respondia que a “Minha Missa” era em casa, isto é, a meditação que fazia diante de um pequeno altar montado no quarto para adorar e venerar os meus santos hindus. Posso afirmar com segurança que por estas práticas, aparentemente inofensivas e apresentadas como estradas que conduzem a Deus, terminaram por me fazer perder a frequência nos Sacramentos e me fizeram aceitar passivamente o mundo dos espíritos e as várias formas de idolatria como a adoração de divindades hindus, os “espíritos guias” e os “mestres da vida”, diante dos quais eu me ajoelhava e me dedicava a práticas devocionais. 

Pela Graça de Deus nunca deixei da amar Nossa Senhora e acredito que as peregrinações a Lourdes e a Medjugorje me protegeram e me trouxeram de volta a Deus. Me lembro que durante o período da Nova Era eu nunca estava satisfeita, procurava continuamente novas experiências e nenhuma delas me satisfazia, sentia uma força invisível que me bloqueava e me impedia de “entrar” para o mundo oculto que tanto desejava explorar. Agora reconheço que aquela força invisível eram Nossa Senhora e o meu Anjo da Guarda.

ANNALISA COLZICresci em uma família longe da fé católica. A clássica família batizada mas não praticante que diz acreditar em Deus mas não está interessada na vida da Igreja. Em torno dos 20 anos comecei a me interessar pelo espiritismo. Eu lia tantos livros sobre o assunto e estava cada vez mais apaixonada por este assunto, tanto que estava pensando em me encontrar com o maior médium de Roma. Acabei indo em um médium fajuto onde fui apenas uma única vez. Me apaixonei pela cartomancia, pela nova era e por tudo relacionado a estes assuntos. Um de meus desejos era o de visitar a Índia e ter um encontro com Sai Baba. 

Eu ia muitas vezes a uma senhora que dizia “tirar mau-olhado”sem cobrar nada mas sempre eu dava algum dinheiro quando me dava um tal “saquinho vermelho”. Então minha vida tornou-se um total desespero e eu decidi telefonar para um verdadeiro “mago” conhecido… mas Deus teve Misericórdia de mim e me levou a salvo antes que eu caísse na armadilha das falsas curas.

Quando você praticava estas artes nunca percebeu que elas queriam te conduzir de modo sutil para longe de Deus ?
LASS:  
Houve um episódio que me lembro em particular e que confirma a sua pergunta: pouco depois de ter começado o meu caminho na nova era, conheci uma pessoa que se dizia “mestre espiritual” e “canalizador” (entrava em contato e se comunicava regularmente com diversas entidades) o qual exercia sobre mim um fascínio e uma admiração muito forte. Me forçava a ser seguidora do seu mestre, o Sai Baba, com o qual dizia se comunicar e que lhe dizia como eu deveria agir. Uma vez esta pessoa me mostrou um quadro de Sai Baba (anos depois descobri que aquela imagem de Sai Baba era uma caricatura da imagem de Jesus Misericordioso de Santa Faustina) e depois de me dizer que naquela imagem se via a “maravilhosa aura” do presumido mestre ( o qual vestia uma roupa branca igual a de Jesus, mas, ao contrário, tinha um aspecto terrível) ele exigiu que eu me ajoelhasse para adorá-lo. Depois da minha conversão, relembrando este episódio, compreendi o quanto satanás deseja ser adorado e quanto ódio tem de Deus ao ponto de querer tomar o lugar Dele.

ANNALISA COLZINão. Eu nunca suspeitei. Não tinha esta consciência, tudo me parecia muito normal. Devo ressaltar que a minha educação religiosa era inexistente, e eu era incapaz de discernir o bem do mal.

Durante a prática destas doutrinas da nova era você passou a sentir em sua pele a presença tangível das forças ocultas ?

LASS: Como já disse antes, creio que graças à Nossa Senhora e ao Anjo da Guarda, sempre me limitaram a minha “entrega” ao oculto, mas li tantos testemunhos de pessoas que através destas práticas abriram a porta para o “assédio” ou até mesmo a “possessão diabólica”. Mas Deus me protegeu e preservou frequentemente e mostra-se como também como uma outra face da medalha para se fazer aparecer como um “falso amigo”.  Durante algumas práticas xamânicas vi uma entidade ligada à natureza e durante a prática de Reiki me recordo que o meu gato teve uma crise epilética. Quando meditava sozinha no meu quarto ouvia barulhos ao meu redor, mas agora no mesmo quarto eu rezo o Rosário e estes barulhos não são mais ouvidos.

Nos últimos tempos da minha prática da nova era tinha alcançado êxito com a viagem astral (a conhecida “experiência fora do corpo” ou OBE – Out of Body Experience) e durante uma destas viagens desejava encontrar um dos falsos profetas que eu seguia e testemunhei qual era a real identidade dele (interiormente me convenci disto): um ser monstruoso com olhos sedentos de sangue, o oposto da imagem que o tal mestre projetava e dava publicamente.

ANNALISA COLZIEu nasci em 1962 e a minha conversão aconteceu em 1991, portanto o movimento nova era, do qual era muito apaixonada, estava no início. O Reiki, por exemplo, não existia ainda e assim também outros ensinamentos que hoje estão na moda. Eu me concentrava muito no espiritismo e isto abria as portas para forças obscuras. Tive algumas experiências negativas, também não esclarecidas. Muitas vezes eu tinha a impressão de que eram presenças, eu acordava de repente no meio da noite ouvindo barulhos fortes, etc…

De que modo você acredita que as forças do mal agem nesta época atual (por exemplo na mídia, na tv, na música) para desviar a humanidade e distanciá-la da Vontade de Deus ?

LASS:  O mundo da música me diz respeito, eu estudei música desde o final da juventude e me recordo nitidamente como o mal intencionalmente me distanciou da música clássica (naquele tempo eu estudava a guitarra clássica e pretendia me diplomar no conservatório), para me levar para as paixões sensuais das práticas orientais e me fazendo que eu perdesse um talento que provavelmente Deus usaria para se servir de mim  através da música. A confirmação disso é que, logo depois da minha conversão, retornou a minha paixão pela música clássica, retornei aos estudos e atualmente do Senhor me chama a servi-Lo exatamente através deste meio.

Recentemente conheci uma pessoa que infelizmente tem o vício de xingar e que odeia a religião cristã e a Igreja. Em seguida esta pessoa me indicou que eu ouvisse frequentemente o grupo de trash metal chamado “Slayer” (que já se declarou algumas vezes como satanista) e não me surpreende que tais indivíduos possam condicionar passivamente, com a sua música agressiva e os seus textos satânicos. Infelizmente esta realidade é muito difundida quanto muito valorizada no mundo da música, acredito que é preciso rezar muito pelas pobres almas vitimadas por este tipo de música.

ANNALISA COLZI:  Seguramente satanás utiliza o mundo da mídia (jornais, internet, televisão, desenhos animados, cantores, etc…) para arruinar as almas. Por estes meios de comunicação passam um veneno contínuo que começou há muitos anos atrás, capaz de mudar a mentalidade das pessoas. A música, portanto, é um veículo mais perigoso que satanás se serve. Não somente o rock metal serve para difundir malefícios mas também cantores pop, aparentemente inofensivos mas que divulgam mensagens negativas como Rihanna, Lady Gaga, Kate Perry… E o que dizer do Rap ? 80% das canções do Rap contém referências a droga, álcool, sexo, violência em seu estado puro. Satanás foi muito esperto e conseguiu nos enganar nos fazendo crer que, no fundo, são somente músicas.

Ambas levaram adiante as suas batalhas contra o mal através da internet, vocês receberam ataques ?

LASS: Os ataques são contínuos, sobretudo da parte dos seguidores dos vários gurus orientais que citei nos meus artigos. Estes últimos pregam a paz e o respeito pelas religiões, mas do outro lado não demoram em insultar com agressividade e maldade. Recebo diariamente mensagens de internautas que não tem problemas em declarar o seu ódio contra a Igreja (atacando as cruzadas e a santa inquisição o tempo todo) e contra o Deus cristão que seria, segundo eles, inventado por nós.

Segundo eles os verdadeiros deuses são estes gurus orientais, não importa o quanto eles nos levam para longe dos Sacramentos, somente eles merecem a adoração e a servidão total.

ANNALISA COLZI: Eu não recebo ataques excessivos, mas muitos me agradecem as informações que lhes dou.

O que vocês gostariam de dizer hoje, na luz das suas conversões, àqueles que seguem estas práticas da nova era e acreditam que não estão fazendo nada de mal ?

LASS: Direi a eles que abram os olhos por um momento e olhem os valores que estão sendo inculcados passivamente como o carma, o vegetarianismo e a reencarnação.

Direi a eles para lerem pelo menos uma vez à noite a Bíblia, considerarem que não é um simples livro, mas a Palavra Viva de Deus, seguir os Seus Ensinamentos, retornar aos Sacramentos e experimentar a Presença e o Amor de Deus Vivo que se manifesta em sua vida e não é um ídolo que pretende com o engano ser adorado. Depois de você escolher a estrada a percorrer, estou certo de que uma vez que você experimentar a Presença de Jesus nunca mais O abandonará.

E se não conseguir retornar à Ele, então faça como eu: vá em peregrinação para qualquer santuário mariano, não por motivos turísticos e então… retorne à casa convertido.

ANNALISA COLZI:  Direi que deixe-se preencher pelo Amor de Deus que se fez carne e o convido a vir a Medjugorje !

 Fonte:http://www.veniteadme.org/storie-conversione-intervista-doppia-annalisa-colzi/

Este é o último livro escrito por Annalsa Colzi com o prefácio de padre Gabrielle Amorth, carta enviada pela vidente Vicka, muitos testemunhos e a verdadeira história das aparições, disponível nas livrarias católicas.

 

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *