Porque tanta gente vai a Medjugorje ?? Entrevista com Don Aldo Cavalli

Compartilhe!

Tempo de leitura: 17 minutos

Matéria original: http://www.medjugorje.hr/it/attualita/intervista-con-il-visitatore-apostolico-a-carattere-speciale-per–la-parrocchia-di-medjugorje-mons.-aldo-cavalli,12722.html

Em 27 de novembro, o Papa Francisco nomeou o arcebispo Aldo Cavalli como visitante apostólico de caráter especial para a Paróquia de Medjugorje, onde chegou ontem à noite, dia da festa de Nossa Senhora de Lourdes. Medjugorje recebe com alegria o novo visitante apostólico e também estamos felizes por ele, no primeiro dia, ter encontrado tempo para ser um convidado em nosso programa,

Excelência, Louvado seja Jesus Cristo e bem-vindo.

Obrigada. Obrigado por me convidar para esta entrevista. Graças ao Senhor, à Virgem Maria, ao Santo Padre, que me nomeou aqui. Eu nunca estive aqui, mas muita gente do meu país, da minha paróquia, veio aqui, e quando eles voltaram, percebi algo sempre profundo, eles voltaram cheios de boa vontade, cheios de fé, cheios de vontade de viver bem, de querer receber o Senhor, enchê-lo de bondade para Nossa Senhora, querer rezar o terço… Eu notei tantas coisas muito positivas. Mas eu nunca fui. Então, quando o Papa, aos meus 75 anos, me nomeou, fiquei feliz. Fiquei feliz em vir, e vim alegremente, muito alegremente.

Quais são suas primeiras impressões depois de chegar em Medjugorje?

Queria falar com os frades franciscanos, que estão aqui há muito tempo e que fizeram tanto bem, e continuam fazendo muito bem. Os primeiros que conheci são eles. Eu vi que eles amam este lugar: eles confessam de bom grado, eles pregam de bom grado, eles estão dispostos pela graça de Deus. E isso é uma coisa muito positiva. Esta manhã vi a igreja, vi os lugares onde as pessoas vêm e sempre me pergunto algo profundo: “Por que tantas pessoas vêm aqui?” E há um profundo “por quê”. Porque eles não vêm por diversão, eles não vêm por outros motivos, eles sempre vêm com um motivo. Encontre o Senhor, ore e esteja na companhia da Virgem Maria. As duas coisas juntas, encontrar o Senhor, orar, mudar de vida e estar na companhia da Virgem Maria. Quando meu pessoal voltou, esses dois pontos foram cruciais. Agora vem a consequência. O que devo fazer? O que os frades franciscanos fazem tão bem? Nós, da melhor maneira possível, colaboramos com graça para ajudar todas essas pessoas que vêm, a encontrar o Senhor e estar na companhia da Virgem Maria. Este é o nosso propósito. Juntos, com os frades, com o bispo de Mostar, e com muitos leigos, que aqui trabalham como vocês, colaborem com essas pessoas que vêm para este único propósito: encontrar o Senhor em um lugar santo, e isso se tornou um lugar santo. , encontrar o Senhor na Eucaristia, encontrá-lo no Evangelho, encontrá-lo na Adoração, encontrá-lo na confissão e estar na companhia da Virgem Maria. Temos que colaborar nisso, não em outras coisas. Colabore com o Espírito Santo para ajudar os fiéis neste sentido.

Ele disse que nunca esteve em Medjugorje, mas teve a oportunidade de conhecer pessoas que fizeram uma peregrinação aqui. Quanto você sabe sobre o fenômeno Medjugorje e tudo o que aconteceu aqui nos últimos 40 anos?

Olha, eu sou o italiano. No meu país, Medjugorje tornou-se um ponto de referência. E quando as pessoas tomam um ponto de referência, as pessoas entendem que encontram aquele que querem encontrar, que o Senhor e a Virgem Maria. E ninguém a impede nisso, mas ninguém a impede. E isso é uma coisa muito boa. E as pessoas vieram e vieram e virão ainda mais. Mas temos que manter este lugar, um lugar profundamente espiritual. É normal se as pessoas vêm elas têm que acolher as estruturas o que significa que as pessoas vêm e precisam morar lá, onde elas moram então as estruturas são construídas, onde uma estrutura come. Eles querem comprar presentes, que remetem a essa experiência, nós fornecemos isso que são coisas humanas, profundas e que são necessárias para poder viver aqui. E isso é normal, normal. Em todo lugar santo as pessoas que vêm precisam de algumas estruturas, sempre assim. Em Roma o mesmo. As pessoas vêm a Roma porque existe o Papa. Isso é o principal, existem tantas coisas bonitas em Roma, é lindo, mas existe o Papa. Quando ele vem para onde ele mora? Eles moram em hotéis, institutos… e isso é necessário. Eles querem comprar lembranças, mesmo que sejam úteis para lembrar o ambiente espiritual em que estiveram. E assim é para Medjugorje.

Você passou a maior parte de sua vida na diplomacia. No final de janeiro completou seu ministério como núncio apostólico na Holanda. Agora o Papa confiou-lhe um ministério que tem sobretudo um carácter pastoral. Como você recebeu a notícia de sua nomeação como Visitador Apostólico de caráter especial para a Paróquia de Medjugorje?

Para mim, desde que sou padre, antes mesmo, tudo é serviço pastoral. A divisão entre diplomacia e pastoral não existe para nós, para mim. Porque é a pessoa que tem a atitude pastoral, não a função, a função vem depois. Nós temos a atitude dentro da pastoral, toda ação que fazemos se torna pastoral, e isso é muito positivo. Os embaixadores se encontram, são pessoas humanas que representam países inteiros e têm sua importância porque representam países inteiros. A responsabilidade é muito grande. Nós os encontramos como núncios apostólicos, embaixadores, mas também como sacerdotes. Eles sabem disso, onde quer que eu vá em todos os lugares, quando nos encontramos: em coctel, jantares, reuniões, feriados nacionais, vou lá vestido assim, como estou agora. E todo mundo sabe disso. Falo como todo mundo, como todo mundo, bebo como todo mundo, falo com todo mundo, mas sempre com eles, mas sempre sabe, sempre, sempre entra no assunto do Senhor, do Papa, da Igreja. Sempre, sempre, sempre. Porque esses tópicos são tópicos espirituais que todos nós temos dentro e eles também têm dentro. A oportunidade e a pessoa que representa esse mundo tão invisível e tão profundo para eles. Sempre se torna uma conversa profunda e espiritual. Isso é pastoral.

Excelência, o que a continuação do ministério do Visitador Apostólico significa para Medjugorje?

Veja, o Papa representa a Igreja universal. Então manda um emissário. O enviado com o Papa representa a Igreja universal. Significa que a Igreja universal está atenta a este fenômeno, muito atenta. Então esse fenômeno, eu vi uma foto, tem lá na casa paroquial, uma foto maravilhosa, muito profunda. E no escritório do Visitador Apostólico. Representa Medjugorje, a igreja, a igreja é um símbolo. Esta igreja é o símbolo em todo o mundo, é um símbolo. Então lá está Medjugorje, representa Maria, representa o mundo inteiro perto de Maria e representa de Medjugorje, os raios que vão para o mundo inteiro e por isso precisam se tornar. Raios do Senhor, raios da Virgem Maria em todo o mundo. E o Papa representa todo o mundo espiritual da visita do Filho de Deus entre nós. Isto significa o Visitador Apostólico. Toda a Igreja que olha para Medjugorje, Medjugorje deve olhar para toda a Igreja e no mundo inteiro. Então o instrumento que eu vejo aqui e estava notando também é muito importante. Porque para somar o mundo inteiro esses meios agora são normais. Use-os da melhor maneira possível e com a melhor técnica possível para alcançar o mundo inteiro. Isso é uma coisa muito boa.

Após sua nomeação, você encontrou-se com o Santo Padre. Sabemos que o Papa Francisco se preocupa com Medjugorje e tudo o que está acontecendo aqui. Então, como o Papa vê o fenômeno e o que ele disse?

Olha, Papa você me recebeu tão bem, ele disse algumas palavras de Medjugorje: Vá lá, fique lá e com calma, calma e equilíbrio, fique lá e acompanhe o povo. O suficiente. Depois de todo o resto do discurso do Papa, sempre assim o Papa está comigo, vamos falar sobre como levar o Evangelho hoje a todos. Como levar o Evangelho a esta sociedade que é a nossa. A sociedade tem sua própria cultura, e a cultura muda. Na mudança de cultura, não devemos condenar, nem criticar, nem julgar, devemos ficar por dentro, pois esta é a cultura. Como anunciar o Evangelho à cultura de hoje? De dentro, como fez o Senhor, que entrou numa cultura e anunciou o Evangelho na cultura: com a língua, com o modo de fazer, o Senhor era judeu, com um modo de agir que estava dentro da cultura. Boa. Como chegar a esta cultura? Nessa parte do mundo que é nossa, o mundo ocidental, essa cultura que antes era toda cristã, todas, de maneiras diferentes: protestante, anglicana, o que você quiser, mas a ética era toda cristã. A Europa era cristã. Há uma incrível mudança de cultura. Mas eles são ruins? Não, de jeito nenhum, de jeito nenhum. São pessoas que vivem em outra cultura. Muito útil. Quando estive na Holanda, a Holanda é a marca desta outra cultura, um país robusto e garanto-vos. Robusto significa pessoas que fazem, que trabalham, que inventam. Recebo jovens, todos os anos, grupos de jovens na nunciatura. Jovens estudantes universitários, de todo o mundo, porque todas as universidades da Holanda são bilíngues, essas são as línguas que você fez para o mundo inteiro. Todos falam holandês e inglês, todos eles. Então, jovens de todo o mundo vieram em grupos de quinze, de todo o mundo. O que eles sabiam sobre Jesus? Quase nada. Nesta cultura, Jesus é um entre muitos. De Deus? Uma coisa vaga. Da Igreja? Mas eles conheciam o Vaticano. Porque o Vaticano é o Vaticano. Eles conheciam o Papa, porque o Papa é o Papa, e ele chega em muitas partes. Eles queriam saber por que o Papa tem embaixadas. Uma coisa histórica. Mas eles vieram na minha frente. Comecei a explicar a partir de quem? De Jesus Cristo. Se não partirmos daí, nada se explica. Muito cuidado, muito cuidado! Falei por meia hora, explicando coisas desde Jesus Cristo até hoje. Eu explico bem? Não, não, expliquei bem. Tenha muito cuidado! Quantas perguntas depois! Quanto interesse! Ninguém estava contra nós, ninguém. No entanto, eles não nos conheciam. Porque nossa mensagem não chega a essa cultura, não chega ou chega pouco. O que deveria ser feito? Receba-os, viva com eles. Muito importante. Viva com eles e esteja com eles. Estávamos conversando com o Papa sobre uma carta muito importante do primeiro século 100-110, a carta de Diogneto. Como os cristãos vivem? Quem são os cristãos? Eles escreveram naquela época, estamos na era logo após os apóstolos. Vivemos como todo mundo, nos vestimos como todo mundo, comemos como todo mundo, trabalhamos como todo mundo, pagamos impostos como todo mundo, nos casamos como todo mundo, mas vivemos como cristãos. Aqui está o que devemos fazer: viver com todos, viver como todos, não criticar, não julgar, mas como cristãos. Foi dito: a vida de Jesus Cristo é transmitida, como ele, por contágio. Mas temos que mudar a atitude deles. Não mude os métodos. Os métodos não criam a vida cristã. A atitude cria a vida cristã. E altitude significa algo dentro, que muda, que vê as pessoas como o Senhor as vê, pessoas humanas para amar, servir e viver dentro. Sem medo de viver dentro com eles, sem medo. Mas como cristãos.

Embora o ministério do Visitador Apostólico seja principalmente pastoral, o arcebispo Hoser falou positivamente do fenômeno de Medjugorje, dos videntes, da devoção mariana, enfatizando em particular o cristocentrismo e a celebração dos sacramentos. Quão bem você conhece o trabalho de seu antecessor, o falecido arcebispo Hoser?

Eu nunca o conheci. Mas uma coisa eu entendi sobre ele, ele era apaixonado por Medjugorje, apaixonado. Aqui está a atitude. Apaixonado e feliz por viver aqui. Isto é o que eu entendo. Apaixonado e feliz. Uma grande veneração da Virgem Maria, grande. E um grande amor pela Igreja. Foram vinte anos em Ruanda em tempos difíceis, e eu entendo bem porque passei 5 anos no Burundi, que fica perto de Ruanda. E eu entendo bem a situação. Era um médico. Então fez algo de bom nesta área também. Já esteve em Varsóvia. Ele era um bispo lá e então um velho como eu, eles o mandaram para cá. E ele era apaixonado, ele era apaixonado. Eu estava dizendo lá, na paróquia, por favor, deixe a figura do monsenhor, deixe as fotos. É uma história. Esta é uma história. Uma bela história de um homem que aqui deu a vida, praticamente morreu. É uma história, deve ser deixada para trás, porque a história não deve ser apagada, nunca deve ser apagada. Quando entrei com os frades me mostraram quantas pessoas morreram em tempos passados, não faz muito tempo, morreram, morreram mártires, quantas pessoas morreram. Há uma história, nunca podemos esquecer que somos fruto dessa história. E eu também venho aqui depois que ele trabalhou bem por 3,4,5 anos, no sentido de que ele deu sua vida por Medjugorje.

No início de agosto deste ano, será realizado o Mladifest, que reúne dezenas de milhares de jovens de todo o mundo. Os jovens sublinham que estão particularmente impressionados com a Adoração Eucarística, com as Santas Missas concelebradas por mais de 500 sacerdotes, etc. ocasião do Mladifest. Será o mesmo para o Mladifest deste ano?

Olha, há comitês organizadores aqui que sabem fazer as coisas. Conversamos sobre esse encontro de jovens em agosto e me parece que há dois anos, ano passado menos para covid, mas da última vez que não teve covid, mais de 50.000 jovens, uma semana inteira. Sempre nos perguntamos: “Por que eles vieram?” E eles oraram, e muitos jejuaram. Você ouviu intervenções, adoração,… dia e noite. Por que isso acontece? E são jovens de todo o mundo. Por que isso acontece? O que os jovens vêm aqui? O que eles esperam encontrar? O Senhor Jesus, não há dúvida. E a Virgem Maria, não há dúvida. Mas como podemos colaborar com Jesus e a Virgem Maria para que esses jovens sejam ajudados a conhecê-lo? O pároco de Ars, que é um de nós, havia compreendido algo muito profundo. Milhares vieram se confessar a ele. Ele confessou 15-18 horas por dia, tudo bem. E sempre bem, com calma, com tranquilidade, ouvindo tudo e todos e acolhendo bem. Ele entendeu que aquele que chamava todas essas pessoas não era ele, era o Senhor Jesus, mas ele era o instrumento no qual todas essas pessoas encontravam o Senhor Jesus. Então havia Jesus, todas essas pessoas e havia ele como instrumento. Ele entendeu que tinha que ser um instrumento, muito válido, mas muito válido: espiritualmente e de forma humana. Sempre acolheu bem a todos. O que deveríamos fazer? Quem está chamando esses jovens? Não somos nós. Quem os chama? É o Senhor Jesus, aproveitando-se da Virgem Maria. É importante. O que nós somos? Somos ferramentas. Devemos ter uma atitude de abertura, de acolhimento, de serenidade. Para que sejamos ferramentas úteis e válidas para que eles encontrem o Senhor Jesus.

Agora que você chegou a Medjugorje, quais são seus planos e quais serão seus primeiros passos?

Olha, é muito simples. Eu também não esperava ser enviado aqui. Sim, o Senhor, a Virgem Maria, o Papai, a Igreja me enviaram, há uma razão que eu não sei. Antes de tudo colabore, colabore. Colabore com os frades franciscanos que estão aqui e trabalham muito, colabore com o bispo de Mostar, que é o bispo de toda esta parte da Igreja e depois colabore com muitos leigos que trabalham bem aqui, colabore. Esta é a primeira coisa que preciso fazer. Mas colaborar significa trabalhar com eles, tenho que trabalhar com eles. Porque juntos, incorporados, fazemos muito e fazemos bem. Isso é algo que eu faço. Então ore, ore, ore. Porque sem oração estamos vazios, estamos vazios. Meu pai só sabe ler e escrever, coitado. Ele não me disse nada. Mas uma vez que se tornou padre, ele me disse: ‘Você sabe por que os padres não estão indo bem agora? Por que eles não rezam!” “Meu pai, nunca disse nada, nunca. “Por que não rezam?” Compreendi uma coisa em sua humildade e pobreza: que nossa força era a oração, porque como disse antes, apenas representamos. Quem representamos? O Senhor Jesus, mas nosso ponto fundamental, a base de nós é o Senhor Jesus, então sem oração nos tornamos vazios. Então rezar, então fazer o que eu tenho que fazer, sem medo de nada.

Excelência, muito obrigado por esta entrevista e por todas as mensagens que tem enviado aos nossos telespectadores e ouvintes. Espero sinceramente que este seja o início de uma bela colaboração com vocês.Que as orações de todos os paroquianos da paróquia de Medjugorje e de nossos peregrinos sejam sua força.

Muito obrigado. Obrigado a todos. Graças ao que você faz pelo mundo inteiro, que você alcança tantas pessoas, que nós não alcançamos. Mas é alcançado, é alcançado. E tantos te ouvem, tantos te ouvem. Muito obrigado e obrigado pela sua competência. Porque você trabalha bem, parece-me tudo o que tenho visto, com alta competência e por isso deve ser feito. Obrigado e que o Senhor te abençoe, e também a Virgem Maria. Obrigado!

Se desejar adquirir algum produto de Medjugorje para ser levado por mim para a aparição e benção de Nossa Senhora em sua aparição anual no dia 18 de Março 2022, acesse o link abaixo para comprar seu produto:

https://www.lojamedjugorje.com.br/importados-de-medjugorje/

Se você tem algum pedido de oração para ser levado diretamente para a apariçãoaperte aqui para escrever seu pedido de oração.

Compartilhe!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.