Após 50 anos cega, senhora suiça é curada em Medjugorje !!!

Compartilhe!

Tempo de leitura: 7 minutos

Matéria original:https://www.medjugorje.ws/en/articles/testimony-christiane-claessens/

Christianne Claessens – a primeira testemunha de cura da mulher da Suíça Joelle Beuret – Devanthery em Medjugorje, em outubro de 2010, enquanto descreve a peregrinação e todos os eventos.

No sábado, 16 de outubro de 2010, quarenta e seis pessoas, a maioria das paróquias de Santa Francisca de Sales e Santa Teresa, iniciaram sua peregrinação particular a Medjugorje. Era a nossa vigésima peregrinação privada que acontecia no momento em que recordamos o vigésimo aniversário da formação do grupo de oração Rainha da Paz. Para o nosso grupo, foi uma oportunidade maravilhosa de agradecer ao Senhor, pois Maria tomou cada um de nós pela mão e nos guiou apesar de todas as dificuldades que tivemos ao longo destes últimos vinte anos. De fato, Satanás não suporta a Virgem Maria e, portanto, odeia todos os grupos de oração que ela deseja que sejam fundados em cada paróquia. Pela graça de Deus, permanecemos fiéis e costumávamos nos reunir todas as segundas-feiras para oração, meditação da vida de Cristo, tudo acompanhado das mensagens que Maria deu e ainda está dando todos os meses em Medjugorje.

Passamos dois dias no ônibus orando e nos apresentando aos eventos que estavam acontecendo em Medjugorje desde 1981 até hoje. Era domingo à noite, por volta das 20h. quando chegamos a Medjugorje. Na segunda-feira, 18 de outubro, apesar de chover, com muita alegria no coração, subimos o caminho escorregadio que leva ao Morro das Aparições. Estávamos todos ajudando uns aos outros. Joelle, uma mulher de 50 anos completamente cega, estava entre os peregrinos, junto com sua filha Vinciane, assim como sua modesta e alegre amiga Claudia, que seguia Joelle por toda parte com tanto amor e gentileza. Joelle estava tão feliz que parecia flutuar sobre caminhos rochosos. Ao chegar ao local das Aparições, logo abaixo da Estátua de Nossa Senhora, ela fez uma linda oração cheia de amor e confiança à Mãe Celestial. Todo o grupo ficou cerca de vinte minutos em silêncio no Morro, e desceu junto para se encontrar novamente na igreja por volta das 17h. para o programa de oração da noite. Foi aí que Joelle sentiu algo estranho, sentiu como se uma mão a estivesse sufocando, e foi exatamente depois de receber a Sagrada Comunhão que ouviu uma voz criticando-a dizendo: “Você queria ter um filho, você conseguiu sua filha. Você pediu um emprego, você conseguiu um. É o suficiente agora, você finalmente vai calar a boca? Quando está frio, você tem um apartamento agradável e quente, quando você está com fome, você sempre tem algo para comer, quando está nevando, você sempre tem roupas quentes, você finalmente vai parar agora e para sempre, é realmente o suficiente! ” Joelle parecia muito perturbada e falou com o Pe. Fabian naquela mesma noite. Ele disse a ela que é só Deus na hóstia e que Ele nos quer apenas o bem, e isso não poderia estar vindo de Deus. Ele lhe disse para orar a Deus, orar a Ele para que ela fosse capaz de cumprir Sua vontade. Isso pareceu acalmá-la.

No dia seguinte, 19 de outubro, decidimos rezar a Via Sacra, até o topo da Montanha da Cruz. Idosos e Joelle rezaram a Via Sacra com Pe. Olivier desceu no vale, enquanto o resto do grupo sob chuva leve, e em caminho mais íngreme e mais difícil do que no dia anterior, subiu até o topo da montanha. Paramos e oramos antes de cada estação, oramos muito e por todas as nossas intenções. Luc nos sugeriu que nos uníssemos na oração com aquele grupo menor de nossos peregrinos que não podiam subir conosco. De maneira especial que apresentamos esta Via Sacra para a Joelle, para rezar graças especiais para ela, porque nem para rezar pela cura, pois nada é impossível ao nosso Deus. Foi uma Via Sacra muito intensa; foi uma oração profunda em que meditamos sobre o sofrimento de Cristo que ele apresentou por todos os nossos pecados. A oração durou das 9h às 15h. Mais uma vez, todos nos encontramos na igreja às 5 para o programa de oração da noite.

Foi aí que aconteceu o grande milagre. No momento em que Joelle recebeu a Sagrada Eucaristia, ela pôde ver o padre com sua alva branca. Ela ficou toda surpresa, olhou para cima e viu lâmpadas, teto alto da igreja, vitrais… ao lado dela: “Por favor, me tire daqui, não estou me sentindo bem.” Ao saírem da igreja, ela disse: “Eu posso ver a luz!” Continuaram o caminho para a Sacristia e o Pe. Olivier estava saindo, perguntando: “O que vocês dois estão fazendo aqui?” Joelle apenas respondeu, dizendo: “Eu posso ver!” Ele ficou profundamente emocionado com o ocorrido e sugeriu a dois deles que voltassem para a igreja, a terceira parte do Rosário estava terminando na igreja. Enquanto as pessoas saíam da igreja, todos cercamos Joelle. Nosso padre, como um verdadeiro e genuíno pastor lhe sugeriu agradecer ao Senhor, então eles foram juntos para os degraus em frente ao Alter principal, t

hey ajoelhou-se e agradeceu a Deus por aquele grande presente que ele tinha acabado de dar a ela. Esse gesto nos lembrou do trecho do Evangelho onde Jesus curou dez leprosos e apenas um voltou para agradecer a Ele. Depois, dirigimo-nos à Estátua de Nossa Senhora para agradecer-lhe também a sua intercessão. No final, voltamos para a nossa pensão. Algumas mulheres da Itália e alguns peregrinos de Plymouth nos disseram que estavam atrás de Joelle enquanto ela recebia a Sagrada Comunhão e todos podiam sentir o cheiro forte de rosas que irradiava dela. Joelle nos contou como aquele cheiro a seguiu por dias e ela ainda pode sentir o cheiro. Vinciane, que estava na missa, voltou para a pensão nesse meio tempo e não sabia nada da graça que sua mãe havia recebido. Também precisamos enfatizar que Joelle nunca viu sua filha desde que ela ficou cega nos últimos quarenta e dois anos.

Pe. Olivier, cheio de alegria, voltou correndo para a pensão e convidou todas as pessoas a descerem ao saguão porque ele quer compartilhar boas notícias com eles. Quando Joelle entrou, todos os peregrinos já estavam reunidos. Joelle entrou, viu a filha e disse: “Você lavou o cabelo?” Vinciane, sem perceber nada de diferente, apenas disse: “Sim”, e perguntou “Por que é que todos nós tivemos que vir aqui embaixo?” Joelle disse: “Você não vê nenhuma mudança em mim?” Vinciane olhou novamente e disse: “Não” “Olhe melhor”, sua mãe lhe disse, e Vinciane gritou de alegria: “Você pode ver!”

Foi realmente um momento de tirar o fôlego. Eles correram um para o outro e permaneceram nos braços um do outro por cerca de cinco minutos. Vinciane nos contou depois que rezava constantemente para que sua mãe recuperasse a visão e até disse a Mary que não planeja sair até que sua mãe consiga enxergar novamente!

Que fé maravilhosa! Maria ouve choros e choros de seus filhos. Todo o grupo ficou muito feliz e louvou ao Senhor e Sua Mãe com suas orações e canções. Embora já fosse por volta das 22h, todos nós fomos em direção à Cruz Azul, junto com Joelle, para o local onde Nossa Senhora aparece regularmente para Ivan e Mirjana.

Não consigo esconder a profunda alegria que todos sentimos, alegria por termos recebido um sinal tão precioso que Maria nos deu pelo vigésimo aniversário do nosso grupo de oração. É um sinal que ela nos dá, Nossa Mãe, sinal que nos ajuda a perseverar no futuro.

Maria está nos guiando, nos fortalecendo, nos segurando pelas mãos, nos ama e quer que suas mensagens sejam difundidas através dos grupos de oração que devemos formar. Sempre que vamos em peregrinação a Medjugorje, vamos à escola de Maria e através dessa escola ela vai nos levar ao Seu Filho Jesus.

“Para os homens isso é impossível, mas para Deus tudo é possível” (Mt 19,26)

Christiane Claessens

SE QUISER IR A MEDJUGORJE CONOSCOCLIQUE AQUI E SAIBA MAIS !!!

SE QUISER PRODUTOS DE MEDJUGORJECLIQUE AQUI

Compartilhe!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.