Com 17 doenças incuráveis é curada instantaneamente em Medjugorje !!!

Compartilhe!

Tempo de leitura: 10 minutos

“Muitas vezes pensamos que Jesus não está aqui, que não nos ouve, mas não é verdade”. É assim que uma mulher agora dada como morta, paralisada há três anos por um tumor cerebral inoperável e diagnosticada com problemas de tireoide, esclerose múltipla, lúpus e uma dúzia de outras doenças dolorosas, agora percorre o mundo demonstrando com sua vida que não há apelo que, pedida com total fé e abandono (como recorda São Paulo no capítulo 11 da Carta aos Hebreus), não é escutada e atendida.

Por esta razão, a americana Colleen Willard repete a todos uma das mensagens dadas ao mundo por Nossa Senhora que apareceu a seis videntes em Medjugorje desde 1981: “Queridos filhos, Deus pode dar-lhes tudo o que lhe pedirem; mas você só procura por ele quando surgem doenças, problemas, dificuldades e você pensa que Deus está longe de você e que ele não te ouve e não responde às suas orações. Não queridos filhos, isso não é verdade! Se você ficar longe de Deus, você não pode receber graças porque você não o busca com fé firme…” (25 de janeiro de 1988).

Estas são as palavras “penetraram em meu coração para me conduzir nesta jornada”, que começou em setembro de 2001, quando Colleen, casada há 35 anos e mãe de três filhos, teve que se submeter a uma pequena operação cirúrgica, “ao invés disso, foi o começo de uma mudança dramática na minha vida”. A intervenção é bem sucedida, mas surgem outros problemas. Em vez de se recuperar da breve convalescença, a mulher não consegue mais andar ou engolir. Sujeito a novas análises, a presença do tumor cerebral é descoberta.

Determinada a não desistir, ela e seu marido John conhecem vários médicos na área de Chicago, onde moram, mas nenhum deles quer operá-la. Certos indivíduos viajam para a Clínica Mayo em Rochester, Minnesota, onde são diagnosticados com outras doenças. A frase, porém, é a mesma: o tumor é inoperável. A única solução, perante as dificuldades respiratórias e motoras, mas sobretudo as dores crónicas que não o abandonam nem à noite, parece ser a mudança para um lar de idosos.

Seu filho Christopher, de 15 anos, decide suspender os estudos para cuidar da mãe enquanto o pai está trabalhando. Colleen, humilhada, aceita, pedindo ao filho que pegue o crucifixo e o coloque ao pé da cama para rezar assim: “Não sei se tenho coragem de carregar esse peso, mas tenho fé em Ti e que Tu veja algo que eu não vejo e saiba que você nunca nos dá um fardo maior do que podemos carregar”. Então Colleen pede a Christopher que abra a Bíblia: “Ele acabou por acaso na passagem em que São Paulo diz que carregar a cruz é uma alegria”. A mulher está certa, a Sagrada Escritura não pode mentir: “Então olhei para o Crucifixo e sussurrei:” Não sei por que, mas abraço a cruz e ofereço a você “. A partir desse momento tudo mudou, “mesmo que meu corpo definhasse, minha alma se revigorasse”.

Estamos em 2003 quando a situação física está no limite, tanto que os médicos dizem a Colleen que o fim está próximo. Levando o Rosário que “já fazia parte da minha vida, comecei a rezar perguntando o que deveria deixar para minha família, filhos, netos, mas principalmente para meu marido. Então perguntei ao meu filho se ele rezava”. A resposta foi uma facada no coração ainda mais dolorosa do que a doença: “Mãe, não, não rezo mais e nem sei mais se Deus existe: como pode uma coisa dessas fazer com uma pessoa que só fez bom, quando ‘é aquele que rouba e mata?’.

Colleen pensa no que teria feito Nossa Senhora que continuamente bate à porta de quem não crê, rezando a Deus e obtendo assim a resposta às suas orações: “Naquele momento o Espírito Santo me fez entender: qual é o maior dom você pode sair? É o dom da oração, porque até um único Pai Nosso e Ave Maria será ouvido pelo Pai”. Um presente que duraria para sempre. “Pensei imediatamente em uma peregrinação mesmo que não estivesse em condições de enfrentá-la”.

A fé de Colleen é literalmente aquela que move montanhas. Ela começa a orar pedindo que Deus Todo-Poderoso permita que ela vá embora. “Nem 24 horas depois uma pessoa que tinha feito muitas peregrinações a Medjugorje veio me ver, eu disse a ela que gostaria de ir”. A mulher responde que é impossível naquelas condições, mas coloca uma medalha com a imagem de Maria no pescoço: “Ela foi abençoada por Nossa Senhora durante a aparição”. A determinada Colleen pega o Rosário novamente: “Perguntei a Maria se ela poderia, por favor, me deixar sair:” Mas não posso a menos que você coloque esse desejo no coração de John “. Quando o marido retorna a resposta é não, mas ao invés de desistir, “Rezei o Rosário novamente sabendo que ele pode converter corações: “Por favor, faça com que João faça este desejo!”.

No dia seguinte Colleen repete a pergunta ao marido que responde afirmativamente. Mas a família não tem dinheiro para viajar: “Rezei novamente e no meu coração senti a quem devia chamar”. A funcionária do fundo de pensões revela-lhe que em caso de doença pode ser acedido excecionalmente: Mas agora precisávamos de um médico para assinar a autorização de viagem”. Nenhum médico está disponível, porque “você pode não voltar”, dizem a ela. “Foram palavras devastadoras. E dessa vez comecei a chorar: por que Deus abriu uma janela e fechou a porta?”. Mas ainda assim a mulher tenta se entregar à vontade divina e “rezei ainda mais”.

Colleen pensa em um padre amigo, padre Agniello, que, embora cético em relação a Medjugorje, tem o dom de frases interiores, e “eu rezei para que Deus me respondesse através dele”. Mas então “naquela noite pensei em quantas vezes Maria disse sim, mesmo na frente de seu filho que ia morrer”. E ele desiste novamente: “Não minha, mas sua vontade.” Imediatamente após o telefonema: “Sou padre Agniello. Esta manhã eu estava em frente ao Santíssimo Sacramento, ele me disse para lhe dizer que você deve ir a Medjugorje e quando você for, você subirá a montanha”. Colleen pensa na morte, “mas eu estava serena porque tinha a alegria de que falava São Paulo”. Em seguida, o padre aconselha-a a chamar um médico polonês para obter a autorização de saída que obterá.

Em 3 de setembro de 2003 em Medjugorje Colleen testemunha o testemunho da vidente Vicka. A vidente fala à multidão das aparições, de quando Nossa Senhora a levou para ver o inferno, o purgatório e o céu: “Pedi a Nossa Senhora: “Se eu pudesse tocar as mãos que te tocaram, eu seria feliz”. Nesse momento Vicka para de falar e, caminhando entre os peregrinos, alcança a mulher na cadeira de rodas. A espantada Colleen explica a ela: “Eles não estão aqui por mim, mas por todas as pessoas que me pediram para orar e por aqueles a quem eu disse que oraria. Você poderia, por favor, pedir a Nossa Senhora para responder a todos? Ele disse que sim: e nesse momento fez o sinal da cruz na minha testa e colocou as mãos na minha cabeça. Eu não sentia mais nada ao meu redor, mas apenas a presença de Deus Pai, Deus Filho e o Espírito Santo.

E senti um alívio físico, mas isso era secundário à presença divina, tanto que se ele tivesse me pedido a vida imediatamente eu teria dito sim. Pouco depois, durante a Missa na paróquia, no momento da consagração, Colleen ouve claramente a voz de Maria perguntando-lhe: “Você quer dar todo o seu coração e alma ao Meu Filho Jesus agora?”. Eu disse sim. E então ele me perguntou: “E você quer dá-los ao Pai Nosso?” Sim. “Você quer entregar seu coração e sua alma completamente ao meu esposo, o Espírito Santo?” Sim. Ela continuou: “Agora você é minha filha.” Abrindo os olhos, a mulher vê o padre que lhe oferece a Eucaristia e “quando ele a coloca na minha língua acontece o mesmo que quando eu estava na casa de Vicka” e “eu pensei em quantas vezes eu tinha recebido a Comunhão: Deus que dá ele mesmo tudo, sem que eu lhe oferecesse tudo em troca. Agora eu tinha dado a ele”.

Nesse momento, completamente liberta da malecronia, Colleen se levanta e dá glória a Deus, deixando o marido e os presentes consternados. No dia seguinte sobe ao monte Krizevac: “Cheguei ao cume e me prostrei diante da cruz, agradecendo também o dom do sofrimento”. Christopher está esperando por seus pais no aeroporto de Chicago. “Ele me abraçou confessando: «Mãe, acredito em Deus e acredito em milagres»”.

Na Clínica Mayo, tendo realizado os testes que atestaram o desaparecimento completo de todas as doenças, os médicos explicam a ela que é o terceiro caso de cura inexplicável após uma viagem a Medjugorje. O padre Agniello, por outro lado, não ficou nada surpreso: “O Senhor já lhe havia dito que me curaria, mas não quis me comunicar para que eu ficasse livre para segui-lo”. Apesar de tudo, o padre não quer ir a Medjugorje até que o próprio Senhor mais tarde o peça.

“Agora vai ao redor do mundo comigo para dar testemunho do poder das aparições” e para dizer a todos que “se você tomar a sua cruz e oferecê-la, Ele nunca o deixará ou o abandonará. Se, como Nossa Senhora me pediu, você entregar todo o seu coração e alma a Deus, você experimentará a mesma alegria que São Paulo fala na Bíblia”. Seja qual for a sua cruz. Sem fé, porém, como afirma o apóstolo, “é impossível agradá-lo; de fato, quem se aproxima de Deus deve acreditar que ele existe e que recompensa aqueles que o buscam”.

Se desejar adquirir algum produto de Medjugorje para ser levado por mim para a aparição e benção de Nossa Senhora em sua aparição anual no dia 18 de Março 2022, acesse o link abaixo para comprar seu produto:

https://www.lojamedjugorje.com.br/importados-de-medjugorje/

Se você tem algum pedido de oração para ser levado diretamente para a apariçãoaperte aqui para escrever seu pedido de oração.

Compartilhe!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.