DE ATEU A SACERDOTE DEPOIS DE MEDJUGORJE !!!

Compartilhe!

Tempo de leitura: 4 minutos

No coração do Vale do Rieti, no centro da Itália, está o convento de Fontecolombo, habitado por uma pequena comunidade de frades franciscanos. Entre eles está o padre Cristóforo Amanzi.

Este religioso de 66 anos tem uma história muito peculiar de conversão e vocação. Membro do Partido Comunista Italiano desde a juventude, era um anticlerical fervoroso. Aos 32 anos, ele tinha uma namorada, uma ex-esposa e mãe de dois filhos, que acabou de se converter e fez uma peregrinação a Medjugorje.

Ercole Amanzi, como este era seu nome antes de mudá-lo após sua profissão religiosa, foi à Bósnia para convencer seu parceiro a deixar Medjugorje e, assim, irem juntos passar alguns dias na vizinha costa da Dalmácia. Mas nesta aldeia onde a Virgem apareceu, ela experimentou uma conversão tumultuada que acabaria por transformar completamente a vida que levava e acabando por abraçar a vida religiosa.

Desde sua chegada a Medjugorje, nada aconteceu como Ercole previu. Ele não só não conseguiu convencer a noiva a deixar este lugar mariano e ir para a praia nas férias, como esta mulher havia decidido romper este relacionamento com ele. Após sua conversão, ela sabia que já era casada e que não existia tal relacionamento.

Mas aquele que até então era seu companheiro foi além e procurou ajudar espiritualmente Ercole para que com a colaboração dos outros peregrinos daquela peregrinação pudesse encontrar aquele Deus contra quem lutava.

Como disse à La Nuova Bussola Quotidiana, Ercole (hoje Cristóforo) teve uma conversa com uma freira na qual ele garante que teve uma experiência mística: “Quando lhe dei a mão não a vi mais, apenas uma palavra de quatro letras, amarela como o sol, formando a palavra IESU (Jesus em italiano) aparecendo em um fundo negro”.

Cristoforo Amanzi, em peregrinação a Medjugorje

Desconcertado por tudo o que estava experimentando, ele decidiu escalar o Monte Krizevac ou montanha da Cruz, em Medjugorje e tentou recitar a Ave Maria, a única oração da qual ele se lembrava de um fragmento.

“Depois de um tempo, foi como perder a cabeça. Durante a escalada, vi os episódios mais importantes de minha vida fluírem em minha mente. Reconheci claramente o que havia acontecido: os erros, a traição de mim mesmo, os pecados … Foi uma iluminação, um exame de consciência que só mais tarde percebi plenamente. No último trecho da estrada, perto da cruz, ouvi uma voz masculina e paternal dizer-me: “isso é o que você fez, eu te proponho outra vida”. Em um momento entendi tudo: Deus existe, foi paciente comigo, sempre me amou e me dá a possibilidade de amar e recomeçar ”.

O afastamento total de tudo relacionado à fé ocorrera 16 anos antes, no meio da adolescência. “Comecei a me distanciar gradualmente de Deus por volta dos 16 anos”, diz ele. Eu acreditava que o cristianismo havia se tornado incompatível com a necessidade de me defender do assédio que sofria. Por isso, ele confessa que queria ser “mais agressivo e se comportar como os outros”.

Foi assim que acabou ingressando no Partido Comunista. “Naquele momento tudo caminhava nessa direção. O objetivo de uma sociedade mais justa parecia ao meu alcance, e no comunismo também vi uma resposta ”, garante.

Por sua vez, o anticlericalismo o penetrou profundamente. Ercole garante que então apenas sua mãe permaneceu católica. “Meu pai não era um praticante por motivos de trabalho, enquanto fui eu quem afastou minha irmã da fé. Só minha mãe continuava orando, e sempre que tentava propor argumentos de fé, não encontrava correspondência ”.

Cristoforo Amanzi

Por isso, o agora frade afirma que por não ter uma referência em Deus, sentiu “a importância de ter referências terrenas: trabalho, política, esporte, amizade, relacionamento afetivo. Mais tarde, experimentando Deus, percebi como estas referências eram frágeis. “

Após esta conversão em Medjugorje, Ercole Amanzi entrou na Ordem dos Frades Menores em 1990, escolhendo Cristoforo (Christopher) como seu nome religioso. Lendo a história deste santo, ele descobriu que sua memória litúrgica coincidia com a data de sua conversão, 25 de julho, também festa do apóstolo São Tiago, curiosamente patrono da igreja de Medjugorje.

Além disso, ele descobriu uma coincidência ainda mais significativa. Nos primórdios do cristianismo, o culto a São Cristóvão havia substituído o culto pagão do semideus Hércules (Ercole) e esse novo conhecimento foi decisivo para ele adotar o nome religioso de Cristoforo.

Se agora é franciscano em Fontecolombo, há também uma presença fundamental desta ordem religiosa em Medjugorje, responsável pela igreja neste lugar mariano. Muitas vezes ele viaja como guia para os peregrinos e junto com os membros da fraternidade “Mãe da Reconciliação e da Paz”.

PARA ADQUIRIR MATERIAIS SOBRE AS APARIÇÕES DE NOSSA SENHORA EM MEDJUGORJE CLIQUE AQUI

Compartilhe!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *