A cura inexplicável de Emanuela em Medjugorje !!!

Compartilhe!

Tempo de leitura: 4 minutos

Fonte: medjugorje altervista

Meu nome é Emanuela N.G. e tentarei contar brevemente minha história, esperando que seja útil para a comissão que se reunirá em Medjugorje. Tenho quase 35 anos, sou casada e tenho dois filhos: 5 e meio no primeiro e 14 meses no segundo e sou médica.
Há cerca de um ano fui operada de astrocitoma, que apareceu repentinamente no lobo temporal direito e depois fui submetida a um ciclo de quimioterapia e um mês de telecobaltoterapia na dose máxima possível; ao mesmo tempo, tomava 8 mg. de Decadron por dia, mais ou menos na metade da terapia, superei o sarampo. Após a cobaltoterapia, parei a cortisona abruptamente, sofrendo algumas consequências no outono. Para evitar convulsões do tipo epiléptico devido à cicatriz no lobo temporal, tomava anticonvulsivante. Em outubro, a primeira tomografia computadorizada de controle: estava tudo bem, exceto por uma coisa: enquanto seguia as terapias prescritas, eu tinha até 15 ataques de epilepsia por dia. Aí comecei a pensar que os tratamentos em vez de me beneficiarem estavam causando-me um efeito paradoxal, e então, com plena responsabilidade e com a ajuda daquele Deus e daquela Santíssima Virgem que sempre senti mais perto desde os tempos de a cirurgia resolvi sair gradativamente do Tegretol e do Gardenal e, coincidentemente, desde novembro não tive uma única crise, mesmo quando estava sob estresse físico ou emocional, mesmo em hiperventilação forçada. Mas, infelizmente, uma surpresa desagradável estava esperando por mim. Sem convulsões e com sinais neurológicos muito modestos na tomografia seguinte, no final de fevereiro de 1985, ocorre uma grande recorrência, julgada inoperável pelo Prof. Geuna. Mais uma vez, senti que não era hora de desistir. Imediatamente, de Pavia, mantendo-se a mesma opinião diagnóstica, foi decidido que eu deveria fazer um ciclo de CCNU (5 cápsulas – 8 semanas de intervalo, mais 5 cápsulas) e depois um novo controle até uma possível intervenção cirúrgica. Eu fiz o que eles me disseram. Enquanto minha família também se dirigia ao exterior em busca de opinião, enviando toda a documentação, nasceu em mim o forte desejo de ir a Medjugorje, enquanto eu sempre dizia que, se a saúde o permitisse, iria a Lourdes agradecer por ter passado pela intervenção. Nós vamos. E aqui, tendo decidido a viagem a Medjugorje, a primeira boa notícia chega: de Minnesota o prof. LAWS escreve que poderia ser uma radionecrose tardia devido à terapia com cobalto. De Paris, o prof. ISRAEL levanta a mesma dúvida e recomenda a ressonância magnética nuclear para fazer um diagnóstico diferencial. Enquanto isso, vou a Medjugorje e oro e estou presente em uma aparição de Nossa Senhora na casa de Vicka e uma secreção corre pela minha espinha. Embora o cérebro do meu médico me diga que não é lógico, é como se uma força tivesse se apoderado de mim naquele momento; no dia seguinte, subo ao topo do Monte Krizevac em 33 minutos, enquanto nos últimos meses me custou muito escalar até mesmo inclinações muito modestas. Na ida de avião na decolagem e no pouso tive uma dor de cabeça perceptível devido ao edema, sempre voltando de avião não sinto mais nada, é como se minha cabeça estivesse mais leve, curada. Continuo a terapia anti-edema, pois até a radionecrose causa edema e pronto. Em março vou a Genebra para fazer a ressonância magnética nuclear e na verdade não há nada além de radionecrose, o edema periferida quase desapareceu, as estruturas medianas que na tomografia do final de fevereiro estavam deslocadas estão alinhadas. Resta uma pequena área incerta que terei que verificar novamente em julho. Agora devemos considerar que a imagem da tomografia computadorizada foi vista por oito radiologistas, neurologistas e neurocirurgiões, incluindo alguns luminares italianos e franceses, apenas na nona, o médico americano LAWS surgiu com a outra possibilidade e eu já havia decidido ir a Medjugorje para que pudéssemos falar de um milagre no embrião em um nível diagnóstico. Mas também há muitas outras pequenas coisas a considerar: estou bem, não tenho ataques epilépticos, não tenho sinais neurológicos e levo uma vida perfeitamente normal; apenas as mudanças: uma fé autêntica e ingênua entrou profundamente em meu coração, que eu poderia ter tido quando criança. Aquele Deus em quem acreditei, mas que senti longe de nós, vive em mim e rogo a ELE por meio de Sua Santíssima Mãe todos os dias com o Santo Rosário e tenho certeza que em julho a resposta será uma imagem sem mais sombras, mesmo que muito pequenas.
Se necessário, anexo uma fotocópia do laudo da Tomografia Computadorizada.
Muito obrigada por ler minha história e esperar um dia conhecê-la. Na fé.

Emanuela N.G.

(Nota do editor: – A tomografia computadorizada do cérebro realizada em julho de 1985 foi normal).

PARA ADQUIRIR PRODUTOS DE MEDJUGORJE CLIQUE AQUI

SE QUISER VIAJAR CONOSCO ATÉ MEDJUGORJE MANDE WHATSAPP PARA (85)98843-5572

Compartilhe!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.