“Aquela viagem a Medjugorje repleta de sinais mudou nossas vidas”

Compartilhe!

Tempo de leitura: 7 minutos

Matéria original: https://www.famigliacristiana.it/articolo/quel-viaggio-a-medjugorje-che-ci-ha-cambiato-la-vita.aspx

22/08/2019 OS DOIS ESCRITORES, MARIDO E MULHER, AUTORES DE AMBIENTAIS MAIS VENDIDOS NO PASSADO, CONTAM A PEREGRINAÇÃO REPLETA DE “SINAIS” QUE DERAM UM SALTO DE QUALIDADE EM SUA FÉ

Francesco Sorti e Rita Monaldi escritores best-sellers italianos

Eles nos recebem em seu escritório, um sótão romântico em Viena cheio de livros com uma vista deslumbrante da cidade, um verdadeiro barril de pólvora onde ideias de agrano à luz da história, o protagonista indiscutível de seus romances (11 ao todo, traduzidos em 26 idiomas e 60 países). Muito mais do que um casal na vida e no trabalho, Rita Monaldi e Francesco Sorti são os guardiões de verdades desconhecidas para a maioria das pessoas sobre a vida de personalidades do passado que realmente existiram. Com a saga dedicada a Atto Melani, diplomata e espião a serviço do Reino da França, subiram no ranking internacional e em 2017 foram indicados ao Prêmio Strega con Morte like me, dedicado a Curzio Malaparte. Personagens vívidos e circunstâncias convincentes são os ingredientes de seu sucesso e o resultado de uma pesquisa apaixonada e emocionante nos arquivos históricos que também levou a descobertas interessantes. Por uma curiosa coincidência com suas obras, Rita e Francesco são testemunhas de outra descoberta igualmente importante: a fé. Depois de uma viagem a Medjugorje anos atrás, a presença de Maria marca cada momento de sua vida.
Quando foi sua primeira viagem a Medjugorje?
Francisco: «Até 2011. Um amigo jesuíta repetiu-nos que faltavam peregrinações marianas na nossa vida: nunca tínhamos feito uma juntos. Rita sozinha quando criança, com os pais. Nem mesmo aqueles, vindos de uma família secular (Francesco foi batizado pela avó em segredo, ed). Assim foi que, no final, decidimos. O primeiro pensamento foi ir ao santuário austríaco de Mariazell, na serra da Rita: «A minha mãe, porém, devota de Nossa Senhora de Lourdes, insistiu que fôssemos para lá. Então, decidimos procurar viagens de Viena por ocasião das férias escolares de Pentecostes de nossos dois filhos. No entanto, só encontramos viagens para Medjugorje. Francesco nunca tinha ouvido falar disso. Gosto vagamente de um dos muitos lugares de aparições marianas. Mas a Igreja ainda não se expressou, o pouco que eu tinha ouvido dela não estava nem livre de desconfiança. Diante do estranho fenômeno de que, como resultado de nossa busca na internet “Peregrinações de Viena a Lourdes”, saíram apenas peregrinações a Medjugorje, tomamos isso como um sinal e marcamos ».
Que sentimentos acompanharam sua jornada em direção ao objetivo?
Rita: «Podemos dizer que chegámos antes mesmo de partir. De fato, o início da jornada já foi singular. O taxista que deveria nos levar até a rodoviária, um jovem bósnio pai de religião islâmica, não conhecia a parada, e também sabíamos apenas que era perto da estação de trem. Assim que chegamos, uma senhora idosa se aproxima de nós, pobre e maltrapilha, muito triste, com um carrinho cheio de malas e um pedaço de papel na mão. Ela nos pede para fazer um telefonema para ela, já que ela não tem celular: ela perdeu o ônibus para Medjugorje e quer encontrar o motorista! ».
Francesco: «Em meio a essa maré humana, a senhora veio até nós. O nosso pulou de espanto. Ligamos imediatamente e o taxista concorda com o motorista do ônibus: eles estariam nos esperando em uma estação de serviço da rodovia, mas tivemos que nos apressar! Nós também carregamos a senhora e durante a viagem o taxista não faz nada além de falar sobre esse milagre e quer saber tudo sobre Medjugorje. Ele começa a cantar louvores a Nossa Senhora, dizendo que no Alcorão ela é lembrada muitas vezes como a mãe de Jesus, a quem deu à luz de forma milagrosa. Naqueles dias estávamos terminando de escrever nosso sétimo livro, Mysterium, e, em memória desse episódio extraordinário, inserimos uma digressão sobre Maria no Alcorão nos diálogos de um dos personagens. E nos serviu perfeitamente, já que o cenário era um navio atacado em 1646 no mar da Toscana por piratas muçulmanos”.
O que essa experiência deixou em você?
Rita: «A primeira lição foi a tolerância. Nossas companheiras de viagem eram em sua maioria mulheres idosas, cheias de dolorosas histórias pessoais e familiares e doenças gravíssimas, mas sempre com um sorriso nos lábios. Um grande milagre, ainda mais do que os fenômenos que quem frequenta Medjugorje conhece bem, por exemplo, a dança do sol – que se torna branco e rosa, e pode ser assistida sem problemas – como em Fátima e as Três Fontes ».


Como você vive a mensagem de Nossa Senhora na vida cotidiana?

Francesco: «Desde então a nossa vida mudou. Voltamos a Medjugorje sete vezes e, cada vez mais, voltando para casa, sentimos que Maria está vindo conosco. Mesmo na família, que nada mais é do que uma Igreja doméstica, e como tal pertence somente a Deus. A mensagem de nossa Mãe é muito clara e seus ensinamentos são

não deixam espaço para compromissos: agir pelo bem do próximo da maneira mais eficaz e divina, ou seja, rezando pelas intenções de Maria e dando-lhe todas as tristezas, dores, infortúnios, negatividades, para enriquecer o tesouro do Church , que Maria então distribui como você sabe. Não há caridade maior!” Rita: «Outro ensinamento é o perdão: se sofremos um mal, lutamos para que aquele que o cometeu não o repita novamente, caso contrário seríamos responsáveis ​​pelo mal que causará à sua próxima vítima. Mas, ao mesmo tempo, devemos a Maria os sofrimentos pela conversão daquele pecador, esperando que mesmo as pessoas a quem um dia deveríamos prejudicar (esperamos que nunca!) ainda rezem por nós e nos perdoem. E para combater as três fontes do mal humano – isto é, em primeiro lugar, a si mesmo, depois o mundo e, em terceiro lugar, o diabo – Nossa Senhora propõe as famosas cinco pedras: jejuar a pão e água dois dias por semana, o Terço diário completo, leitura diária da Bíblia, Confissão pelo menos mensal, Missa diária ».


E você consegue conciliar essas resoluções com seus compromissos?


Francesco: «Podemos testemunhar que, mesmo com os inevitáveis ​​ajustes ligados às contingências da vida, pode ser feito! Idem para o Rosário diário completo. Para a missa diária, tivemos a graça de ter uma pequena igreja com missas vespertinas bem na frente da casa. Mas há alguns anos eles reduziram as comemorações para apenas duas vezes por semana. E assim aconteceu em toda a reitoria da área. Assim, todos compramos a scooter e, enquanto não há neve nem gelo, ziguezagueamos no bonde para chegar à única igreja que ainda tem missas diárias. O que certamente nunca poderíamos fazer, ou mesmo tentar, é ir à missa às 6 ou 7 da manhã! Passávamos o resto do dia bocejando em transe com o próximo livro a ser escrito!’

SE QUISER IR A MEDJUGORJE CONOSCOCLIQUE AQUI E SAIBA MAIS !!!

SE QUISER PRODUTOS DE MEDJUGORJECLIQUE AQUI

Compartilhe!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.