Ex-terrorista irlandês se converte em Medjugorje !!!

Compartilhe!

Tempo de leitura: 13 minutos

Marc Lenagham, do grupo terrorista IRA deu seu testemunho em 2010 em Medjugorje

AS INTERVENÇÕES EXTRAORDINÁRIAS DA GRAÇA NA HISTÓRIA DE UM TERRORISTA DO IRA

“Este é o Deus que encontrei através de Nossa Senhora aqui em Medjugorje”.

As coincidências surpreendentes e românticas que a graça criou na vida de um ex-terrorista do IRA, organização clandestina e terrorista na Irlanda do Norte, graças a Nossa Senhora de Medjugorje.

O depoimento foi dado em 3 de agosto de 2010 durante o Festival da Juventude.

Shalom! Bom Dia a todos!

Meu nome é Marc Lenagham. Eu sou da Irlanda, de Belfast. É um privilégio para mim ter vindo aqui para compartilhar uma parte da minha história com vocês. Quero agradecer a Nossa Senhora por me guiar em direção ao seu Filho Jesus.

Minha história começou quando eu era uma criança pequena na Irlanda do Norte. Minha família era uma família católica praticante. Sempre íamos à missa aos domingos. Mas no final dos anos 1960 e início dos anos 1970, um movimento de direitos humanos surgiu na Irlanda do Norte. Muitos católicos buscaram seus direitos humanos: poder trabalhar, poder votar, ter uma casa. Minha família morava em uma área bastante protestante e não católica. E quando a guerra começou na Irlanda do Norte, minha família ficou muito ferida, porque fomos atacados por gangues protestantes. Eles temiam que os católicos tomassem posse daquele território da Irlanda que pertencia à Inglaterra.

No início dos anos 1970, nossa casa foi atacada por um grupo de moradores de rua que jogou uma bomba. Nada de grave aconteceu, mas estávamos com muito medo. Pouco depois, um grupo de pessoas entrou em nossa casa e nos expulsou. Perdemos tudo. Perdemos nossa propriedade, tudo o que nos pertencia, tudo o que possuíamos e nos tornamos refugiados. Eu era jovem e isso me influenciou muito. E comecei a sentir os britânicos como inimigos. Centenas de outras crianças como eu estavam cheias de amargura; estávamos cheios de raiva por tudo o que estava acontecendo. Quando jovem, decidi lutar contra os britânicos e, ainda adolescente, entrei para o IRA, o Exército Republicano Irlandês. Esta organização acredita que os britânicos só entendem de violência.

Eu estava amargurado, zangado por tudo o que eles fizeram. Comecei a ler a história irlandesa e vi que o mesmo padrão de comportamento inglês se repetia ao longo dos séculos. Comecei a fazer parte do IRA, esse exército republicano irlandês, e fiz parte da polícia deles. Nós que éramos jovens fazíamos cheques como policiais: era uma atitude bastante brutal. A polícia britânica não foi aceita pelo povo, e então nossa polícia fez o seu papel. Em vez de lutar por meio de advogados e tribunais, lutávamos diretamente com as pessoas: nossa justiça consistia em atirar nos homens e espancá-los. Foi tudo muito brutal, violento. Qualquer um que cometesse algum ato criminoso era tratado assim pela nossa polícia. Mas com tudo isso eu não estava feliz. Eu queria fazer parte do outro ramo desta organização: aquele ramo que possuía as armas e bombas. Então fiz um pedido para fazer parte do ramo adulto desta organização que estava lutando seriamente contra o exército britânico. Disseram-me que se eu realmente quisesse, teria que ter muito cuidado e ter certeza do que queria fazer, porque poderia me encontrar em diferentes situações, como morte, ferimentos graves ou prisão perpétua. Eu respondi: “Sim, estou pronto para aceitar todas essas realidades”.

Eu fui para um acampamento onde os militares treinavam, lá eles me treinaram para ser um franco-atirador. Eles nos ensinaram a usar vários tipos de armas. E quando ficaram satisfeitos com nossa preparação, nos mandaram de volta a Belfast para lutar com o exército britânico. Havia dez homens e mulheres no meu grupo; tínhamos armas pesadas: pistolas, bombas, metralhadoras, bombas pesadas. Durante meses estivemos escondidos à espera do exército britânico. Foi um período muito estressante: fizemos muitos sacrifícios pelo IRA, até jejuamos, perdemos muitas noites por nossa causa. Passamos até dez dias preparando uma operação de organização do IRA.

E um dia algo começou a dar errado. Você estava me preparando para atirar em um grupo de soldados. Coloquei os cartuchos no lugar certo e disparei três cartuchos contra um grupo de soldados. Eles nos ensinaram que, se quiséssemos atirar na cabeça de alguém, tínhamos que mirar no peito. Disparei três cartuchos, mas me enganei! Eu atirei, não em um soldado, mas em um civil. Com meus colegas tentamos fugir, mas encontramos um grupo de soldados britânicos. Um soldado testemunhou que queria atirar em mim, mas naquele momento a motocicleta, na qual estávamos, ele sofreu um acidente, não se mexeu mais. Eles me levaram e me julgaram por cinco tentativas de assassinato.

Neste momento eu tenho que falar sobre minha mãe. Minha pobre mãe era uma mulher muito corajosa. Ela sentiu que algo muito sério estava para acontecer, mas não conseguiu me impedir. Então minha mãe virou-se para Nossa Senhora (ela me contou isso muitos anos depois), dizendo-lhe: “Minha Madona, não posso ajudar meu filho: eu o deixo para você”. Minha mãe costumava colocar as imagens da Madona e os rosários nos meus bolsos. Ele colocou as imagens sagradas debaixo da minha cama. Nos bolsos encontrei os rosários: foi minha mãe quem os colocou.

Eu fui para a cadeia. Eu ainda era um soldado dedicado ao exército irlandês. Eu vivi uma vida dupla. Fui para a universidade e estudei russo, e quando me prenderam, eu tinha os últimos três meses para terminar meus exames universitários.

Minha vida inteira foi destruída naquele momento. Fui para a prisão, condenado a 12 anos. Eu culpei a Igreja Católica. Eu considerava a Igreja Católica uma parte do sistema: o inimigo. Eu tinha parado de ir à missa. Eu considerava a Igreja uma parte do sistema inglês. Mas um dia um certo padre foi preso: seu nome é Paddy Kelly. Ele me disse que tinha visitado um lugar chamado Medjugorje. 50 presos do IRA, desta organização, reuniram-se na sala e, no domingo, este padre veio celebrar a missa. Mas não ouvimos. Trocamos cigarros, recados secretos e deixamos o padre fazer as coisas dele.

Naquele dia, o padre Paddy nos provocou: ele nos leu uma passagem do profeta Isaías: “Se os seus pecados fossem vermelhos, eu os tornaria brancos como a neve” (Isaías 1,18). E ele nos disse que em Medjugorje Nossa Senhora aparece para 6 videntes e que ela tem uma mensagem para nós naquela prisão, naquela sala: “Este é o tempo de graça e misericórdia”. Não gostei nada dessa mensagem. Depois da missa, aproximei-me do padre e disse-lhe: “Padre, não gosto nada desta mensagem. Você não consegue entender”. E ele respondeu: “Mas você quer me explicar uma coisa? O que você quer me dizer?”. E então eu disse a mim mesmo: “Agora estou convertendo este padre. Quero converter este padre para participar da guerra”. Mas o padre Paddy teve outra ideia e me disse: “Se eu voltar para esta prisão na próxima semana, podemos conversar sobre isso?”. Eu respondi: “Sim, tudo bem, pai, vamos fazer isso.” E assim, semana após semana, o padre Paddy veio à prisão. Ele me trouxe um livro de Medjugorje, me dizendo: “Você quer ler este livro?”. Eu respondi: “Sim, tudo bem”.

E com o passar das semanas, este livro de Medjugorje, esta obra de Medjugorje, me interessou cada vez mais. Algo estava acontecendo. Eu não entendia o que era a graça, não entendia o que era a misericórdia, a bondade de Deus: mas algo estava acontecendo. De repente, eu me vi na missa realmente ouvindo. Secretamente em minha cela eu carregava a folha de leituras de domingo. E assim me encontrei na situação de ler a Sagrada Escritura. Antes para mim era uma coisa sem sentido: eram contos de fadas, histórias para mim.

E de repente começaram a colorir, como se essas histórias tivessem se tornado tridimensionais, pessoais; e eu me vi na história. O paralítico do Evangelho que havia sido carregado perto de Jesus pelo telhado, esse paralítico era eu: eu estava paralisado pelos pecados, pelas trevas; e ouvi as suas palavras, as palavras de Jesus, que disse: “Levanta-te, os teus pecados estão perdoados”. Li a história de Lázaro, que morreu em seu túmulo, e eu era aquele cadáver. Minha sepultura eram meus pecados, e ouvi as palavras de Jesus me dizendo: “Saia!”. E ponderei sobre a morte de Jesus na cruz. Eu vi Jesus na cruz, ferido, destruído; como suou sangue, e compreendi que sou aquele soldado debaixo da cruz, com armas, aquele soldado que trespassou o coração de Jesus: este soldado era eu. Mas as palavras de Jesus, na Sagrada Escritura, dizem: “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem”. E assim que comecei a ler a Sagrada Escritura, tornou-se para mim a palavra de vida: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida”, “Eu vim para que tenhais vida em plenitude”; “Deus amou o mundo de tal maneira que enviou seu único Filho, para que todo aquele que nele crê tenha a vida eterna… nunca se perca”. E durante as semanas seguintes, os meses seguintes, minha jornada tomou outro rumo.

Deus despertou algo dentro de mim, muito profundamente. Deus me provocou, me chamou para mudar. Nossa Senhora me pediu, ela me procurou, ela queria minha conversão. Nossa Senhora estava me procurando para me confessar.

E um domingo o padre veio à prisão. Eu tinha a opção de ir a uma reunião do IRA ou ir para a confissão. Fiz a escolha: decidi me confessar. Louve o Senhor!

Fui me confessar e me livrei de todos aqueles longos anos de escuridão. Senti algo estranho que nunca havia sentido antes: senti a alegria, a paz. E nas semanas e meses seguintes, comecei a orar mais. Descobri o Rosário. Li as aparições de Lourdes e Fátima. Eu li vidas dos santos. Li a vida do Padre Pio. E isso me inspirou: a vida desses homens me inspirou, me estimulou, eles foram os verdadeiros vencedores. Acreditávamos que éramos vencedores, mas não éramos. E foi uma experiência tão profunda que senti que deveria compartilhá-la com outros na prisão. Tentei transmitir essa experiência a alguns prisioneiros, e alguns me responderam com seu “sim”.

Saí da prisão depois de passar 12 anos na prisão. Comecei a entender qual era a vontade de Deus para mim, o plano de Deus para mim. Parecia-me que Deus estava me dizendo para trabalhar com os jovens nas escolas. E assim me tornei professor de catecismo nas escolas.

Quando vim a Medjugorje pela primeira vez, parecia que estava morrendo e indo direto para o céu. Aqui você vê esses rostos de homens: os homens parecem ressuscitados. Um dia alguém me disse: “Tem uma pessoa que quer falar com você”. Foi aqui, perto da igreja de São Tiago. Encontrei o homem que me disse que era um soldado britânico, aquele soldado britânico que estava em Belfast ao mesmo tempo que eu era um soldado do IRA; foi na mesma área em que eu estava lutando. E ele também teve a mesma experiência de conversão. eu, o ex-soldado do IRA; e ele, o ex-soldado do exército inglês. Estávamos juntos ao lado da igreja de São Tiago: nos abraçamos e nos reconciliamos, aqui ao lado da igreja de Medjugorje. Nada é impossível com Deus! Um homem!

Também conheci o homem que havia atacado nossa casa, ele estava no grupo de protestantes que destruíram minha casa. Ouvi seu testemunho e sua história. Ele e eu trabalhamos juntos. Conversamos sobre paz, conversamos sobre perdão, sobre Jesus, Deus tem um estranho senso de jogo.

A escola onde dou aulas fica ao lado da prisão, a cerca de cem metros da minha cela. E da minha classe posso ver a cela onde passei 12 anos. E lembro-me que quando estava na prisão ouvia as vozes das crianças a brincar; e agora entendo que dez anos depois, pela graça de Deus, estou com esses garotos cujas vozes ouvi da prisão. Agora ensino o catecismo a essas crianças. Louvado seja Deus!

Trabalho como professora de catecismo há muitos anos e procuro levar para as crianças um pouco da minha experiência de Medjugorje, de Nossa Senhora. Quero passar isso para as crianças da escola. Digo às crianças que Deus as ama, que são filhos e filhas de Deus Todo-Poderoso. Eles são a menina dos olhos de Deus: Jesus os ama imensamente. Ele é o deus das promessas, de bênçãos, Deus de amor.

Este é o Deus que encontrei através de Nossa Senhora aqui em Medjugorje.

Gostaria de concluir com uma breve oração. Espero que você tenha essa oração quando chegar em casa. São cinco palavras. Quando vocês voltarem para suas casas, nos momentos difíceis, quando vocês se distanciarem de Deus, quando vocês viverem no pecado, quando vocês se encontrarem no fracasso, no medo, digam estas cinco palavras desta bela oração: “Senhor, hoje eu estou começando de novo”. Deus o abençoe. Graças a Jesus! Obrigado a Maria!

SE QUISER IR A MEDJUGORJE CONOSCOCLIQUE AQUI E SAIBA MAIS !!!

SE QUISER PRODUTOS DE MEDJUGORJECLIQUE AQUI

Compartilhe!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.