Viúvo recebe vocação ao sacerdócio em Medjugorje !!!

Compartilhe!

Tempo de leitura: 10 minutos

matéria original: https://www.spiritofmedjugorje.org/

Fr. Bill Browne que foi a Medjugorje em 1997 tentando discernir sua vocação

A nota no boletim informativo do Espírito de Medjugorje que recebi dizia: “Você me deve uma história”. Isso decorre da minha primeira visita a Medjugorje em 1997, tentando discernir um chamado aparentemente impossível (por causa da pecaminosidade e do que pareciam ser obstáculos intransponíveis) para uma vocação ao sacerdócio. Há muitas partes da jornada, e vou deixar algumas de fora para proteger os inocentes. Eu tinha sido um tipo de pessoa que praticava pouca ou nenhuma fé. Aos poucos, comecei a voltar à fé, quando o irmão da minha avó me ligou. “Você apenas tem que fazer algo sobre sua avó. Ela está do lado de fora de sua própria janela olhando para dentro para ver quem está lá às 3:00 da manhã. Você tem que fazer alguma coisa.” Minha avó havia se mudado para ficar ao lado de sua irmã. Quando a irmã dela faleceu, minha avó estava meio perdida. Eu estava meio que fugindo de ser um animal festeiro egoísta e auto-indulgente. O que eu deveria fazer? “Minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza” (2 Coríntios 12:9). Minha avó sempre foi amada e procurada em nossa comunidade. Ela e meu avô tinham uma mercearia durante a Depressão. Eles sempre davam mais do que recebiam. Todos vinham a ela em busca de conselhos, consolo e ajuda. Eles confiavam e a amavam. Quem era eu para recusar sua necessidade de ajuda? Eu era um divorciado bêbado com tantos vícios. Como eu poderia ajudá-la? Pedi a Deus que me ajudasse. Eu tinha que ir à missa todos os dias, implorando por ajuda, para realizar essa missão impossível – trazer uma mulher de 80 e poucos anos para o meu pequeno apartamento, e ela tinha Alzheimer. Teria sido uma receita para o desastre, mas a graça de Deus interveio. Ela ainda podia cozinhar como um anjo. Estávamos tão bem alimentados. Foi fantástico. Os problemas começaram a surgir, porém, quando íamos às compras. Comprávamos comida suficiente para mais de uma semana de refeições. Quando eu voltava do trabalho, todas as compras de comida da semana eram cozidas e preparadas. Caçarolas, costeletas de porco, assado, espaguete – tudo cozido e na mesa da cozinha ou em outro lugar. Logo, comecei a encontrar a comida em sacolas de compras no topo da escada com as sacolas enroladas no topo, de modo que pareciam ter alças em grandes lancheiras. Então aqueles sacos de comida começaram a aparecer em armários ou outros lugares. Às vezes, a única maneira de encontrá-los era pelo cheiro deles quando iriam estragar. Às vezes, era muito frustrante. Eu até fiquei com raiva dela – não pensando que ela estava doente e precisava da minha ajuda.

Cheguei do trabalho uma noite, exausto e sem paciência. Minha avó estava sentada à nossa mesa de jantar com uma cerveja e um longo pacote cilíndrico na frente dela, embrulhado com jornal e amarrado com duas pequenas fitas vermelhas. Eu não disse “Olá” ou perguntei a ela como foi o dia dela. Eu soltei: “Que merda é essa?” Rasguei o pacote bobo, rasgando o jornal e arrancando as fitas vermelhas. O que descobri foi uma bela estátua branca da Mãe Santíssima! A estátua não era minha, e eu havia mudado tudo de sua casa; não era dela. Logo comecei a perceber que minha avó, Maria, (sem coincidência) havia sido enviada a mim para me ajudar a começar a pensar mais nos outros e menos em mim, e que foi ela quem foi enviada para cuidar de mim, em vez do outra maneira. Quando eu ia à igreja todos os dias para pedir a Deus que me ajudasse, adivinha quem foi comigo? Minha avó não católica, mas muito cristã, Maria. Foi, como se costuma dizer, “um casamento feito no céu”. Avanço rápido 14 anos depois.…

Minha esposa, o amor da minha vida, havia morrido dois anos antes. Lembro-me apenas de estar meio entorpecido e passar pelos movimentos. Eu estava assistindo algo na EWTN e tive uma forte vontade de ler a Bíblia. Procurei por toda a casa uma Bíblia, mas não consegui encontrar nenhuma. Eu era um daqueles maridos que nunca sabiam onde fica alguma coisa. Finalmente, cheguei a um armário que eu nunca tinha aberto. Em cima de uma pilha de livros havia um livro de Wayne Weible sobre Medjugorje. Depois de ler isso, li mais dois ou três livros dele. Eu ia à missa diariamente e rezava o terço diariamente, e minha devoção mariana estava subindo rapidamente. Em setembro daquele ano, fui a Pittsburgh, Pensilvânia, para uma conferência mariana. Eu nunca tinha ido a algo assim em toda a minha vida. Com um amigo meu, acordei às 2h30 e fui para Pittsburgh. Por volta das 6:00 ou 6:30 da manhã, encontrei-me nesta grande sala de conferências de hotel (não uma igreja) rezando o Rosário.

Pouco depois, notei que meu rosário estava mudando de cor nos elos da corrente de metal. Ele acabou se transformando em ouro e permaneceu assim. Mostrei para meu amigo, que disse: “Eu vi antes, e não era de ouro”. Eu tinha ouvido falar disso antes, mas realmente pensei que era apenas o resultado de mentes delirantes. A conferência foi fascinante e os palestrantes foram inspiradores e muito interessantes. Lembro-me de pensar que não podia/não iria ao banheiro o dia inteiro com medo de perder alguma coisa. Minha fome de crescer na fé e na devoção mariana era intensa. Não sei se foi naquela conferência ou logo depois, mas descobri que Wayne Weible estava liderando um grupo de pessoas para Medjugorje em novembro daquele ano. De alguma forma, consegui fazer uma peregrinação a Medjugorje dois meses depois da conferência mariana e do milagre do rosário. Eu nunca tinha feito uma peregrinação em toda a minha vida, e agora me encontrava em uma pilha de pedras, bem longe do outro lado do oceano. Eu estava perdendo a cabeça?

Tínhamos um grupo de cerca de 40 pessoas que moravam na casa em que ficamos (uma casa bem grande que poderia nos acomodar). Certa manhã, enquanto tomava café da manhã, estava conversando com uma senhora do Kansas. Eu nunca tinha conhecido ou falado com ela antes. A pergunta dela para mim foi: “Então, como você veio parar aqui?” Eu disse a ela que uma das razões era o terço que se transformou em ouro da conferência mariana em Pittsburgh. Ela me perguntou: “Quando virou ouro?” Fiquei um pouco perturbado porque parecia que ela estava apenas me perguntando o mesma pergunta que acabei de responder. Ela perguntou: “Em qual mistério isso aconteceu?” Lembrei-me de que estávamos rezando o Rosário Europeu (Mistérios Alegres, Dolorosos e Gloriosos) na época, e estávamos apenas começando. Então me lembrei que foi no Segundo Mistério Gozoso, a Visitação, que meu rosário se transformou em ouro. Foi quando Santa Isabel disse à Mãe Santíssima: “Quem sou eu, para que a Mãe do meu Senhor venha a mim?” Reconheci imediatamente que, de alguma forma, aquelas eram minhas palavras também.

Muitas coisas abençoadas e extraordinárias aconteceram enquanto estivemos lá, mas vou contar sobre Thelma e como nos conhecemos. Thelma era do Texas e tinha vindo para Medjugorje com sua irmã. Ela praticamente não tinha dinheiro, mas tinha uma filha que trabalhava para as companhias aéreas, então ela conseguiu fazer a viagem do Texas. Ela havia quebrado o pé algumas semanas antes da viagem, mas estava determinada que mesmo um pé quebrado não a impediria de fazer a viagem de sua vida. Ela chegou a Medjugorje de muletas. Tínhamos um padre Oblato de Maria que foi meio que designado para o nosso grupo. Ele estava servindo na América do Sul. Ele também era um exorcista, e ouvir suas histórias e jornada de fé era fascinante. Eu adorava ouvir cada palavra que ele tinha a dizer, e quando ele nos disse que ia nos conduzir no Rosário na colina onde a Mãe Santíssima apareceu para os seis videntes, eu estava sobrecarregado de expectativa.

Chegamos ao pé da colina e começamos nossa subida. Logo, vi Thelma e sua irmã lutando para escalar as rochas irregulares e muitas vezes instáveis que cobrem as colinas. Eu precisava de botas de caça apenas para me locomover. Voltei para ajudar os dois, e depois apenas Thelma, enquanto lutávamos para alcançar o grupo. O padre meditava em cada estação, não de um livro, mas de seu coração. Mas, como se viu, nunca conseguimos ouvi-lo porque éramos muito lentos. Lembro-me de dizer a Deus algo como: “Senhor, você me guiou a este lugar sagrado, com a oportunidade de ouvir este sacerdote ungido e incrivelmente talentoso. Por que você me selaria com esta senhora para me segurar?”

Bem, Thelma e eu nos conhecemos muito bem. Ela teve uma vida muito desafiadora, mas uma fé incrível e muito simples. Quase imediatamente, ela se dirigiu a mim como “filho”, mas eu pensei que, como ela era do Texas, eles falavam assim. Nós abrimos nossas vidas e almas um para o outro e passamos muito de nossa peregrinação junto comigo em seu braço enquanto a semana passava. Mantivemos contato quando voltamos para os Estados Unidos, e ela logo ficou conhecida como minha “mãe do Texas”. Thelma havia deixado uma mensagem no correio de voz do meu telefone de casa, mas tinha mais de um mês. Liguei de volta para ela e pedi desculpas por ter demorado tanto para ligar de volta, mas que eu estava no seminário. Ela começou a chorar e chorou por um longo tempo ininterrupto. Acho que foram pelo menos três minutos. Eu então disse: “Sinto muito; o que está errado?” Ela disse: “Você não entende. Quando voltei de Medjugorje, percebi que uma das coisas que eu deveria fazer era orar por vocações ao sacerdócio, e agora um dos meus filhos vai ser padre!”

Seis anos depois, Thelma, minha “mãe do Texas”, assistiu à minha ordenação sacerdotal. Ela conheceu algumas das pessoas que foram uma grande parte da minha jornada de fé. Eu tinha ido a Medjugorje tentando discernir se essa vocação altamente improvável (pelo menos para mim) poderia ser autêntica e viável. Minha “mãe do Texas” me levou até a ordenação. Deus é tão bom e tão incrivelmente misericordioso!

SE QUISER IR A MEDJUGORJE CONOSCO CLIQUE AQUI E SAIBA MAIS !!!

SE QUISER PRODUTOS DE MEDJUGORJE CLIQUE AQUI

Compartilhe!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.