“Em Medjugorje… Lágrimas, muitas lágrimas, não choro há anos. ” – Testemunho de Alexandre

Compartilhe!

Tempo de leitura: 5 minutos

“Em Medjugorje… Lágrimas, muitas lágrimas, não choro há anos. ” – Testemunho de Alexandre

“Meu nome é Alessandro, moro em uma pequena vila no sul da Itália, no quente e ensolarado Salento.
“Falar sobre nossa própria história espiritual é sempre muito difícil”, diz Alessandro, mas com o incentivo do meu querido amigo e padre, Don Francesco Cristofaro, contarei sobre os muitos eventos que Deus (eu os chamo de coincidências divinas) levou até Maria.

Vamos supor que o mal existe. Este não é um conceito filosófico, mas existem realidades e inteligências genuínas prontas para destruir e dividir, e como existe o mal físico, existe o mal mental que infelizmente muitos recorrem à custa dos outros;

Meu primeiro contato com Medjugorje aconteceu durante meus anos militares – falo sobre os anos 90. Me colocaram no posto da Força Aérea, eu era um aviador, conhecia o pastor do exército, era um fiel paroquiano, que ia regularmente ao escritório todas as manhãs para saudar e receber as cartas, era um assinante de uma então indescritível revista chamada “Medjugorie”. Este jornal costumava chegar mensalmente, recolhido pelo pastor militar, e para minha surpresa, alguns dias depois, foi-me enviado de volta pelo mesmo pastor que o devolveu, sem muitas palavras, me forçou a ler. Ainda me lembro da expressão ligeiramente rude em Lecce “Naa liggi” é literalmente ao contrário “

O segundo contato, se puder definir pelo nome de Medjugorje, aconteceu alguns anos depois, e de uma forma muito brutal, exatamente a guerra estourou na antiga Jugoslávia, e ele descobriu com pesar que a vila vila de Medjugorje estava próxima de locais bombardeados. Comecei impulsivamente a vasculhar o rascunho da caixa de memória, onde pensei que tinha guardado uma cópia daquela famosa revista encontrada durante o meu serviço militar, encontrei-a, escrevi imediatamente uma carta para a redação em Turim, e depois de um tempo ele comecei a recebê-la. Medjugorie não era conhecida antes como é agora, e com o tempo tive vontade de ir lá, mas nunca foi possível. Muitos anos se passaram, e há cerca de 5 anos meu diretor espiritual me disse de repente: “Sándor, tu virás comigo para Medjugorje”. Você pode imaginar minha expressão facial. Uma voz interior feia sussurrou-me: “Não é da tua conta com esses lugares, não vais lá”. Entrei na igreja e olhei em desespero em direção ao altar onde havia uma bela imagem de Maria. No seu coração ela ouviu outra voz mas muito doce querendo explicar em palavras a doçura, doçura e segurança que vinha dessas palavras, é impossível, só carrego no meu coração o que você sentiu, mas essas palavras são como primavera z te pegaram dentro de mim. todo sendo “Alessandro em agosto vc estará comigo na colina das aparições”.

Em agosto encontrei-me no carro a caminho de Medjugorje, incrédulo, pensei no meu tempo militar, estava a ir para aquele lado, não podia acreditar, mas foi tudo maravilhosamente real. Não esperava ver nada só queria ficar lá, ver os lugares que são tão desejados, e talvez conhecer um vidente, quem sabe.. Cheguei em Medjugorie, viagem cansativa mas cheia de emoções e como capturei a silhueta da Igreja de São Tiago com suas duas torres, as emoções eram inacreditáveis, mas eu finalmente estava lá. O lugar era lindo. Amo a natureza, as florestas, a paz, e posso dizer que a paisagem, os lugares foram o que eu sempre imaginei, mas Maria? Eu não senti nada.

Passaram dois dias na terra da paz, mas exatamente Maria? Tanto faz. Disse para mim mesmo: “Eu definitivamente tenho fé, assim Deus quiser que seja. ” “Lembro-me que houve uma missa às doze no salão amarelo ao lado da igreja principal. Foi para lá que eu fui. Havia uma pintura muito grande retratando Maria de braços abertos na nuvem olhando para a Igreja de São Tiago. Olhei e olhei para Ela e de repente senti uma presença viva e real. Essa mesma presença foi sentida nessas palavras doces meses atrás. Ela ouviu passos rápidos como uma mulher que passava a vir na tua direção. Senti um véu tocar meu rosto como um carinho. Senti este véu a perfurar o seu coração, apesar de estar emaranhado, mas esta presença gentil viva andou e sentiu um arrepio repentino, bateu como se algo tivesse aberto, Chorei alto. Ela sentiu o coração aberto, era Maria minha mãe. Cheguei em casa. Acho que caí de joelhos porque o turbilhão esmagador de uma presença tão feroz no meu coração me destruiu da forma mais doce e gentil imaginável. Lágrimas muitas lágrimas não chorava há anos tinha um coração de pedra, agora é um lago de lágrimas e alegria. Senti a Nossa Virgem Maria lá em Medjugorje como uma mulher de ritmo acelerado correndo em socorro dos seus filhos, tal como depois da saudação Angelical, que rapidamente partiria para a região montanhosa para visitar a prima, Isabel, que precisa de ajuda. porque a presença intensa no meu coração me esmagou da forma mais doce e gentil imaginável.

Meu aniversário foi no dia seguinte, a subida ao morro das aparições estava marcada. De manhã, quando cheguei ao pé do Podbrdo, para minha grande surpresa notei que Ivan o vidente estava começando o rosário, subi o morro ao seu lado, os mistérios se seguiram, cheguei à estátua de Nossa Senhora. no topo da colina, ajoelhei-me e lembrei-me destas palavras. “Em agosto estarás comigo no monte das aparições.”

“Que presente de aniversário maravilhoso que a Maria me deu.
Fonte: Don Francesco Cristofaro 2020.02.05

SE QUISER IR A MEDJUGORJE CONOSCO CLIQUE AQUI E SAIBA MAIS !!!

SE QUISER PRODUTOS DE MEDJUGORJE CLIQUE AQUI

Compartilhe!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.