Durante uma aparição fui curada da paralisia !!!

Compartilhe!

Tempo de leitura: 7 minutos

Meu nome é Silvia e sou de Pádua. Em 4 de outubro de 2004, aos 16 anos de idade, em poucos dias me vi incapaz de andar e sendo forçada a permanecer em uma cadeira de rodas. Todos os resultados dos testes clínicos foram negativos, mas ninguém sabia quando e se eu voltaria a andar. Sou filha única, tive uma vida normal, ninguém esperava passar por momentos tão difíceis e dolorosos. Os meus pais sempre rezaram e pediram a ajuda de Nossa Senhora para que ela não nos deixasse sozinhos nesta dolorosa provação. Nos meses seguintes, porém, piorei, perdi peso e comecei a ter crises epilépticas. Por volta de janeiro minha mãe contatou um padre que seguia um grupo de oração muito dedicado a Nossa Senhora, e todas as sextas-feiras nós três íamos ao Rosário, Missa e Adoração. Uma noite, pouco antes da Páscoa, após o serviço religioso, uma senhora se aproximou de mim e colocou uma medalha de Nossa Senhora em minhas mãos, dizendo que ela havia sido abençoada durante a aparição em Medjugorje, ela tinha apenas uma, mas naquele momento ela acreditou que Eu precisava disso mais do que ela. Peguei e assim que cheguei em casa coloquei no pescoço. Depois das férias liguei para a diretora da minha escola e consegui os programas da turma que estava cursando, do terceiro colégio científico e nos meses de abril e maio estudei. Nesse ínterim, no mês de maio, meus pais começaram a me levar todos os dias ao Rosário e à Santa Missa. A princípio achei que era uma obrigação, mas depois comecei a querer ir também porque, quando estava lá e orava, encontrava algum consolo na tensão causada por não ser capaz de fazer as coisas como meus outros colegas.

Na primeira quinzena de junho eu fiz exames na escola, passei neles e na segunda-feira, 20 de junho, quando o fisiatra me disse que ela deveria acompanhar sua mãe a Medjugorje, instintivamente perguntei se ela poderia me levar com ela! Ela respondeu que iria perguntar e depois de três dias eu já estava no ônibus para Medjugorje com meu pai! Cheguei na manhã de sexta-feira, 24 de junho de 2005; durante o dia acompanhamos todos os cultos e nos encontramos com o vidente Ivan, o mesmo que mais tarde teve a aparição no Monte Podbrodo. À noite, quando me perguntaram se eu queria ir para a montanha também, recusei, explicando que a cadeira de rodas não pode subir uma montanha e não queria incomodar os outros peregrinos. Eles me disseram que não havia problemas e que iriam se revezar, então deixamos a cadeira de rodas no sopé da montanha e eles me buscaram para me levar ao topo. Estava cheio de gente, mas conseguimos passar.
Chegando perto da estátua de Nossa Senhora, eles me fizeram sentar e comecei a rezar. Lembro-me que não orava por mim mesma, nunca pedi a graça de poder andar porque me parecia impossível. Rezei pelos outros, pelas pessoas que estavam sofrendo naquele momento. Lembro que aquelas duas horas de oração se foram; oração que eu realmente fiz com meu coração. Pouco antes da aparição, o líder do meu grupo sentado ao meu lado disse-me para perguntar a Nossa Senhora tudo o que eu queria, ela iria descer do céu à terra, ela estaria lá, na nossa frente e ouviria a todos igualmente. Aí pedi forças para aceitar a cadeira de rodas, tinha 17 anos e o futuro numa cadeira de rodas sempre me assustou muito. Antes das 22h00, houve dez minutos de silêncio e, enquanto orava, fui atraído por um raio de luz que vi à minha esquerda. Era uma luz linda, repousante e suave; ao contrário dos flashes e tochas que acendem e apagam o tempo todo. Havia muitas outras pessoas ao meu redor, mas naqueles momentos estava tudo escuro, só havia aquela luz, que quase me assustou e mais de uma vez eu desviei o olhar, mas depois com o canto do olho era inevitável ver. Após a aparição ao vidente Ivan, a luz desapareceu. Após a tradução da mensagem de Nossa Senhora para o italiano, duas pessoas do meu grupo me pegaram para me levantar e eu caí para trás, como se tivesse desmaiado. Caí batendo com a cabeça, pescoço e costas naquelas pedras e não tive o menor arranhão. Lembro que era como se eu estivesse em um colchão macio e aconchegante, não naquelas pedras duras e angulares. Eu ouvi uma voz muito doce que me acalmou, me acalmou como se estivesse me abraçando. Imediatamente começaram a jogar água em mim e me disseram que as pessoas pararam e alguns médicos que tentaram sentir meu pulso e respiração, mas nada, não havia sinais de vida. Depois de cinco a dez minutos abri os olhos, vi meu pai chorar, mas pela primeira vez em 9 meses senti minhas pernas e, assim, explodindo em lágrimas, disse trêmulo: “Estou curada, ando!” Levantei-me como se fosse a coisa mais natural; ajudaram-me imediatamente a sair da montanha porque estava muito agitado e temiam que me magoasse, mas quando cheguei ao pé do Podbrodo quando se aproximaram da cadeira de rodas, recusei e a partir desse momento comecei a andar. Às cinco da manhã seguinte, eu estava escalando o Krizevac sozinho com as pernas.

Nos primeiros dias em que caminhei, os músculos das minhas pernas estavam enfraquecidas e atrofiadas pela paralisia, mas não tive medo de cair porque me senti sustentada por fios invisíveis atrás de mim. Não fui a Medjugorje em uma cadeira de rodas pensando que poderia voltar com minhas pernas. Foi a primeira vez que lá fui, foi lindo não só pela Graça que recebi, mas pelo clima de paz, calma, serenidade e muita alegria que se respira por lá. No início nunca dei testemunho porque era muito mais tímido do que de vez em quando. Tive vários ataques epilépticos durante o dia, tanto que em setembro de 2005 não pude voltar ao quarto colégio. No final de fevereiro de 2006, o Padre Ljubo veio fazer um encontro de oração em Piossasco (TO) e eles me pediram para dar testemunho. Hesitei um pouco, mas no fim fui; Prestei testemunho e rezei o Santo Rosário. Antes de partir, o Padre Ljubo me abençoou e orou por mim por alguns momentos; em poucos dias, todas as crises desapareceram completamente. Minha vida mudou agora e não apenas porque estou fisicamente curado. Para mim a maior Graça foi descobrir a Fé e saber quanto amor Jesus e Nossa Senhora têm por cada um de nós. Com a conversão, é como se Deus acendesse em mim um fogo que deve ser constantemente alimentado com a oração e a Eucaristia. Algum vento pode nos soprar, mas se for bem alimentado, esse fogo não se apaga e agradeço infinitamente a Deus por este imenso presente! Agora, em minha família, enfrentamos todos os problemas com a força do Rosário, que todos os três rezamos juntos todos os dias. Em casa ficamos mais serenos, felizes porque sabemos que tudo está de acordo com a vontade de Deus, em quem temos plena confiança e estamos extremamente felizes que Ele e Nossa Senhora nos guiem. Com este testemunho quero dar graças e louvar a Nossa Senhora e Jesus também pela conversão espiritual que ocorreu na minha família e pela sensação de paz e alegria que Eles nos dão. Espero sinceramente que cada um de vocês sinta o amor de Nossa Senhora e de Jesus porque para mim é a coisa mais bela e importante da vida.

PARA ADQUIRIR PRODUTOS DE MEDJUGORJE CLIQUE AQUI

SE QUISER VIAJAR CONOSCO ATÉ MEDJUGORJE MANDE WHATSAPP PARA (85)98843-5572

Compartilhe!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *