Última entrevista do Arcebispo Hoser: “As Aparições em Medjugorje são apocalípticas”

Compartilhe!

Tempo de leitura: 12 minutos

Através do portal católico polonês e patrocinado pelo Arcebispado de Varsóvia, Stacja 7, recebemos uma entrevista realizada pela jornalista Alina Petrowa Wasilewicz com o bispo Henryk Hoser, em 16 de setembro de 2020, sobre a situação atual em Medjugorje e uma leitura do mundo em relação a Medjugorje.

ALINA: Nos encontramos com o Arcebispo Visitador Apostólico de caráter especial, enviado especial do Santo Padre para Medjugorje. Como tudo começou?

Mons. HOSER: Em 2017, a Santa Sé me pediu para investigar o que estava acontecendo em Medjugorje. Eu vim aqui entre março e abril, escrevi um relatório introdutório em maio e o texto completo no outono. O mesmo pesava cinco quilos com acréscimos e acessórios. Pouco depois de ser convocado ao Vaticano, conversei com o Cardeal Pietro Parolin, Secretário de Estado da Santa Sé, e ele me fez uma oferta que não pude recusar…

ALINA: Então padre, estamos com o arcebispo embaixador especial do Santo Padre…

Mons. HOSER: Sim, e não deve apenas investigar, mas também moldar a situação e desenvolver este lugar a partir de uma perspectiva pastoral. Este é um grande problema e uma tarefa, recebi instruções escritas em quatro páginas A4.

ALINA: O que realmente está acontecendo em Medjugorje? Três anos são suficientes para conhecer em detalhes o fenômeno deste lugar.

Mons. HOSER: Os peregrinos vêm de todo o mundo, muitos poloneses vêm. Há cerca de dois milhões de peregrinos a cada ano. Dizem os confessores que quando alguém confessa depois de muito tempo sem fazer, quase sempre acontece por causa de uma conversão radical, por exemplo, alguém com sessenta anos se aproxima e sua última confissão foi para a Primeira Comunhão e passou a vida inteira fora da Igreja com uma vida rebelde. Essas confissões são muito exaustivas. Recentemente me disseram que há cada vez mais problemas bioéticos na vida das pessoas. Eles tomam decisões das quais se arrependerão mais tarde e, no final, não sabem como sair.

Os padres precisam ser educados para saber como responder a essas pessoas. Suponha que uma mulher chegue, diga que fez fertilização in vitro, que abortou várias vezes após essas fertilizações, que ainda restam 6-9 embriões no laboratório que eles criaram. Estes são problemas e você tem que saber o que aconselhar a esses penitentes. E isso aparece com cada vez mais frequência, pois as técnicas de fertilização in vitro já são utilizadas em todos os lugares. E as pessoas que participaram dele descobrem ex post, [isto é, depois do fato], que não era o caminho certo a seguir.

Os pastores prestam muita atenção às pessoas viciadas em drogas, álcool e atividades criminosas. Afinal, eles não são os coroinhas ou ministros da canção da Igreja

ALINA: Medjugorje parece ser a capital mundial dos filhos pródigos. Mas também me refiro aos jovens, por exemplo os britânicos com três ou quatro filhos que vêm aqui…

Mons. HOSER: E aqui eles descobrem uma espiritualidade que eles não têm em casa ou nas igrejas locais. Eles vêm para confessar, como normalmente não podem, porque os padres no Ocidente pararam de confessar. E digo isso com toda responsabilidade, pois trabalhei sete anos em Paris e três anos em Bruxelas. Os padres deixam de confessar os fiéis porque acreditam que a confissão é “culpabilizar”, ou seja, dizer às pessoas que são culpados e que consideram isso ruim para o seu bem-estar, acham que devem ir a um psiquiatra e depois ser tratados para que não se sintam culpados. Aqui em Medjugorje as pessoas reconhecem que nem tudo correu bem em suas vidas, pedem perdão e descobrem a espiritualidade. É muito simples e ao mesmo tempo, graças a este sacramento, acontecem grandes coisas, acontecem conversões espetaculares. Uma vez eu estava atravessando o pátio em frente à igreja, um padre se aproxima de mim, quarenta anos, talvez quarenta e cinco. Da Australia. E ele diz que foi convertido aqui. “Eu era alcoólatra e viciada em drogas. Eu vim aqui e aqui fui curado. E agora sou um padre feliz e trabalho em casa. E temos muitos desses casos, o que significa que há uma tremenda graça operando aqui, porque não é humano transformar as pessoas dessa maneira.

Até gente do show business, celebridades… Quando realizamos o Festival da Juventude há alguns anos em julho, veio um croata de Split, Blanka Vlasić, 193 cm de altura, campeão mundial de salto em altura. Ela viu como, como atleta, se converteu aqui e recuperou o sentido da vida, da ação e da oração. Ele falou sobre isso na frente de milhares de pessoas e causou uma grande impressão.

Nenhuma maravilha extraordinária é oferecida às pessoas aqui. Reza-se o rosário juntos, celebra-se a Eucaristia, ou seja, oferece-se o pão de cada dia, aquele que a Igreja dá aos homens há séculos. Depois da Eucaristia há uma oração de cura, mas é uma oração comum.

ALINA: Não há “saidas” emocionais, nenhuma estranheza, você só tem que ouvir o chamado da Gospa aos videntes: retornem ao PÃO que vocês abandonaram. Você pode confirmar isso? Mons. HOSER: Sim. Aqui as pessoas descobrem a adoração, que elas também não conheciam. Afinal, quantas vezes você adora por uma hora, as pessoas se sentam, ninguém sai, há um silêncio completo. Quando ele termina, o povo aplaude. Os italianos gostam de bater palmas, e aqui todo mundo bate palmas. Depois de adorar a cruz, o povo aplaude. E essas são as coisas que faltam às pessoas no Ocidente. Nossas igrejas são muitas vezes um deserto espiritual, especialmente no Ocidente. O sociologismo reina aí. E psicologia.

ALINA: Qual é o futuro de tal Igreja?

Mons. HOSER: Tufos de grama permanecerão. Porque agora, a última geração de padres que trabalham lá está morrendo no Ocidente. E assim não vejo chance. Sim, existem elites, existem comunidades entusiastas, mas são frações. A França é um país especial nesse sentido. Mas na Alemanha o movimento de Medjugorje está se desenvolvendo, e também na Espanha, que é muito secularizada, em Portugal, que também é muito secularizada. E eles estão começando a renascer, mas ao mesmo tempo temos um influxo incrível do Islã.

ALINA: Quais são suas experiências com os videntes?

Mons. HOSER: Eles são adultos. Eles criaram famílias, eles têm filhos, alguns têm netos. Em primeiro lugar, são pessoas normais. Não tive a sensação de que eles tivessem transtornos mentais, com sintomas psicóticos ou neuróticos. Essas pessoas andam com os pés no chão, têm família, trabalho e outras responsabilidades, e falam de uma forma nada exaltada. Mas eles falam com tanta confiança que é difícil negar sua experiência. A primeira vez que falei com eles, um deles gritou e disse que trinta e sete anos se passaram desde as aparições do Podbrdo em 1981, “e continuam nos acusando de sermos vigaristas, de sermos manipuladores”.

Há várias coisas para fazer aqui, todos notaram que a infraestrutura em Medjugorje é modesta e, para tantos peregrinos, a Igreja de São Tiago Apóstolo é muito pequena. Muito pequena no verão e no inverno. E as instalações para retiro e catequese são muito fracas, muito precárias. Eu trato desses assuntos, mas mesmo que a liturgia seja apropriada ou algo precise ser mudado, embora eu ache que a liturgia é geralmente correta, exceto por alguns pequenos detalhes. O que me deixa feliz é que, como São Luís Maria Grignion de Montfort, o culto mariano local é cristocêntrico, Maria sempre se refere a Jesus, como foi em Caná da Galiléia. E aqui é assim: no centro está a Palavra de Deus, há a Eucaristia, há a Via Sacra, o Rosário, há os mistérios de Jesus Cristo e de Nossa Senhora. Isso atrai as pessoas.

ALINA: Respeitando os segredos do Vaticano: qual é a possibilidade de a Igreja falar oficialmente sobre as aparições? A posição até agora era e permanece cética. Você disse que a atmosfera ao redor de Medjugorje é pelo menos favorável e que isso tem um efeito positivo sobre o número de peregrinos que vêm aqui. Você pode revelar algo do segredo do Vaticano?

Mons. HOSER: Ao avaliar as aparições, é importante conhecer seu conteúdo. Isso foi amplamente examinado por uma comissão nomeada pelo Papa Bento XVI presidida pelo Cardeal Camilo Ruini. Ele estava trabalhando até 2014 e ele entregou todos os documentos, eles fizeram isso detalhadamente, e eles também vieram aqui para a investigação. Muitas equipes médicas já tinham vindo examinar os videntes durante as aparições e não encontraram nenhuma patologia.

A professora Alina Midro, integrante da equipe de bioética da Conferência Episcopal Polonesa, tem um amigo, professor de medicina, não muito longe daqui, em Mostar. E disse que em uma ocasião levaram esses jovens ao hospital de Mostar para investigá-los e não encontraram nenhuma patologia, nem física nem mental. E isso foi durante a era comunista. E aqui o comunismo foi muito duro, muito mais do que na Polônia.

Essa professora de Mostar era ateia, embora fosse batizada, pertencia à juventude comunista, era ativista. E por curiosidade, ele veio a Medjugorje durante as aparições em Podbrdo, e lá estava Vicka, uma das videntes. E ele pergunta a Vicka se ele pode vir. Então Vicka perguntou a Mãe de Deus, e a Mãe de Deus disse a ela que a professora poderia chegar mais perto, e quando ela chegou, ela perguntou se podia tocar na Mãe de Deus E novamente Vicka disse que iria perguntar à Virgem e a resposta foi sim. A professora estendeu os braços: não sentia um corpo, mas sentia que havia mudado completamente. A partir desse momento, ele se tornou uma crente. Ouvi essa história em Białystok, durante um seminário de bioética com a participação do professor de Mostar.

ALINA: Há alguns anos foi feito um documentário polonês de Leszek Dokowicz e Maciej Bodasiński: The Last Challenge. O filme termina com uma cena em que Vicka durante a Santa Missa lê um trecho do Apocalipse e durante o filme fala-se de dez segredos que a Virgem confiou a Mirjana, e houve declarações de um padre de que ele deve anunciar o conteúdo desses segredos ao mundo com antecedência. Acreditar na verdade dessas revelações não é necessariamente necessário para a salvação, mas coisas extraordinárias estão acontecendo aqui, como devemos abordá-las?

Mons. HOSER: As aparições marianas do século 20 são apocalípticas. Esta é Fátima e Kibeho em Ruanda. Em ambos havia uma visão do Inferno. Mesmo em Ruanda, as crianças viram o inferno. Este é um tipo de alerta por causa das más condições em que a humanidade está. Quanto ao Apocalipse, não é que ocorra apenas no fim do mundo, pois já vem ocorrendo em vários episódios. Durante o século 20, duas guerras mundiais: foram experiências apocalípticas, milhões de inocentes morreram, crimes inéditos e incríveis ocorreram. [Isso] acontece e continua [acontecendo até hoje]. Eu vejo essas revelações de uma perspectiva escatológica. Nossa Senhora nos chama, antes de tudo, à conversão a Deus. Neste momento, a situação no mundo está piorando. A Terceira Guerra Mundial ainda não chegou, porque não vale a pena, porque não haverá vencedores, eles mesmos serão derrotados, haverá um deserto. As potências não querem usar armas nucleares, mas estão começando a pensar nisso novamente. E assim a paz está por um fio.

E a decadência, a degradação das relações humanas, também está piorando. Por exemplo, os casamentos estão desmoronando. Após o término do Festival da Juventude, fui abordado por uma espanhola de 20 anos de Barcelona. Falou de uma nova categoria de jovens e pessoas marcadas para a vida, estigmatizadas pelo divórcio dos pais. Isso os fere tão profundamente, perturba tanto suas perspectivas de vida que eles não podem mais estabelecer famílias permanentes porque não acreditam nisso. E disse que era hora da Igreja cuidar dessas crianças, porque só Deus poderia curá-las. A Mãe de Deus é nossa mãe; o nome mais antigo para ela na Igreja é Mater Ecclesiae – Mãe da Igreja. Mas hoje temos um ambiente, simbolizado pelo filme “Kler” (Clérigo), que mostra que toda a Igreja é delinquente, completamente degenerada, e essa é a imagem da Igreja que se vende, e as pessoas acreditam nela. Toda esta situação cheira ao Apocalipse.

Mas a esperança não está perdida. Deus é maior, este é o meu lema episcopal. Deus é maior e tem tudo sob controle. Estamos esperando a iniciativa de Deus. Agora, várias profecias estão se multiplicando, deve haver muitas delas cerca de três dias de escuridão que vão envolver a terra. Santa Faustina teve tal revelação. Para nós crentes significa mobilização, não podemos observar passivamente o mal, devemos reagir.

SE QUISER IR A MEDJUGORJE CONOSCO CLIQUE AQUI E SAIBA MAIS !!!

SE QUISER PRODUTOS DE MEDJUGORJE CLIQUE AQUI

Compartilhe!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.