“Vi a igreja de Medjugorje dentro de uma luz celestial!!!” Afirma a princesa da Áustria

Compartilhe!

Tempo de leitura: 5 minutos

matéria original: https://www.medjugorjetuttiigiorni.com/2019/06/vidi-la-chiesa-di-medjugorje-illuminata.html?spref=fb&fbclid=IwAR24dPSSrlNGQLmAX3cY78l42HXNgSBEuHWAHj-bBk2qKsbVop3x9B05pQI&m=1

Milona, ​​descendente da família imperial dos Habsburgos, foi a Medjugorje pela primeira vez em 1984, por ocasião do terceiro aniversário das aparições. Uma experiência que perturba sua existência e a leva a permanecer em Medjugorje por onze anos a serviço da paróquia e dos peregrinos. Ela diz.
“Sempre fui católico praticante e durante minha juventude tive belas experiências espirituais. No entanto, tendo crescido no período de protestos, hippies (entre os quais havia muitos amigos meus que não conheciam a DEUS e criticavam minha fé), sempre me senti um pouco solitário, incompreendido. Então, em 1984, um forte chamado interior me levou a vir para Medjugorje. Muitos membros da minha família já tinham vindo em peregrinação, mas eu não sabia de nada.
Não procurei nenhum vidente e nenhum padre. Subi o Krizevac’. (Monte da Cruz) e lá em cima começou minha nova vida. Eu estava subindo o caminho da Via Sacra e, de repente, não tinha mais forças para continuar. Sentei-me em uma pedra. Senti uma presença silenciosa e viva (que não percebi com meus sentidos) que me fez três perguntas: “Se o que acontece em Medjugorje é verdade, como posso me definir como cristão? Quem é esse Deus em quem eu digo que acredito? Existe mesmo?”.


No meu coração senti claramente as respostas e, naquele momento, percebi que nunca tinha conhecido e vivido a fé cristã em sua profundidade. De cima do Krizevac ‘vi a igreja de Medjugorje iluminada por uma luz muito intensa que vinha do céu. Então, de repente, a luz desapareceu; um padre idoso veio e me ajudou a continuar a subida até o topo da montanha. Confesso debaixo da cruz. Foi mais que uma confissão, contei minha vida inteira! Eu me senti como um exilado voltando para casa.
Depois dessa experiência maravilhosa e inesperada, percebi que tinha que deixar muitas coisas do meu passado. Naquela época eu trabalhava na Christie’s em Genebra. Eu amava muito o meu trabalho, mas, ao longo do ano, percebi que realmente tinha que deixar tudo para entender o que Deus queria de mim. Voltava a Medjugorje todos os meses e, pouco tempo depois, abandonei tudo para seguir a Deus. Eu tinha 25 anos, padre Slavko me pediu para colaborar na paróquia como secretário, na correspondência de milhares de cartas e postais de todos os pelo mundo. Mais tarde, colaborei como tradutor nas palestras que o padre Slavko dava aos peregrinos de língua inglesa.
Fiquei em Medjugorje por onze anos! Foi uma experiência que me fez crescer. Um dom, uma escola de oração e de vida. O contato com o padre Slavko, os franciscanos, os videntes e suas famílias foi realmente edificante. Meus familiares ficaram muito surpresos com minha mudança e também começaram uma autêntica jornada espiritual. Todos os meus primos (mais de trinta) também vieram para Medjugorje. São muitas as experiências e memórias que ficaram gravadas no meu coração. Vi pessoas se curando instantaneamente na minha frente, durante as aparições (que na época aconteciam na reitoria). Alguns vieram de muletas e saíram sem. São momentos que jamais conseguirei esquecer.
Muitas vezes vi Marija, a vidente, que depois de um dia cansativo de encontros com peregrinos, chegou ao local da aparição em prantos, cheia de problemas, sofrimento ……. Depois da aparição, seu rosto estava totalmente transformado , seus olhos brilhavam de amor; ela estava radiante e pronta para abraçar o mundo inteiro! naqueles momentos compreendi verdadeiramente qual é a diferença entre um verdadeiro encontro com o Céu e outras falsas experiências espirituais, pelas quais não se ama mais o mundo e o próximo. Em Medjugorje, tudo é simplicidade e amor.
Tenho muitas lembranças do padre Slavko, viveu o que disse, repetiu muitas vezes “não quero ter razão, estou sempre procurando a verdade”. Ele estava sempre em busca da Verdade, e sentia-se como um “servo humilde”, a serviço da Verdade e da Igreja. Ele tinha o dom de acolher a Graça e transmiti-la aos outros. Ele era o amigo e irmão de todos os seis videntes. Todos nós o amávamos.

Milona conclui nos dizendo que aqui em Medjugorje, as pessoas se abrem porque se sentem acolhidas, amadas e esperadas por Nossa Senhora e sobretudo por seu coração materno, e cada um recebe o que precisa. Milona procura sempre testemunhar o amor de Maria por cada um, sobretudo nos pequenos gestos e nas pequenas coisas do dia-a-dia.
A associação criada com Magnus e Fergus Mac Farlane-Barrows, Mary’s Meals, ou seja, Mary’s Meals nasceu da experiência dos três em Medjugorje, que trata de dar comida e educação e todo tipo de coisas aos mais necessitados. Até o momento, eles alcançaram cerca de um milhão e meio de crianças carentes, subnutridas e sem educação em muitas áreas da A.ambos, África, Brasil e muitos outros países. Somente a partir disso, o Cardeal Cristoph Schonborn de Viena sempre repete, sem qualquer dúvida e mal-entendido, a veracidade das aparições em Medjugorje.

SE QUISER IR A MEDJUGORJE CONOSCO CLIQUE AQUI E SAIBA MAIS !!!

SE QUISER PRODUTOS DE MEDJUGORJE CLIQUE AQUI

Compartilhe!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.